Blog do Autor

O Julgamento do AMOR

O Julgamento do Amor
... ... .

Allmas Amigas e Allmas Amadas,

dos UniVersos DiVersos

vou lhes contar do evento

na verdade um julgamento

onde u'a plateia seleta

julgava o amor de um Poeta
.
.
O Fôro do Julgamento

foi o Reino das Poetagens

onde eram todos jurados

desse singular momento

tanto os nobres quanto os pobres

dos chamados sentimentos
.
.
O Réu, como acima dito,

era o amor de um Poeta

suas ações e omissões

suas culpas e seus perdões

que fizeram com a ser amada

fosse dele separada
.
.
Cuidou da acusação

a Advogada Razão

ficando a defesa então,

a cargo da Emoção

e no Fórum a Presidência

estava com a Douta Inocência
.
.
Da Razão as testemunhas,

eram mui bem conhecidas:

vestido de gala - o Orgulho

com a Mágoa de braços dados

enquanto aguardava a vez

o Ciume do outro lado
.
.
A Emoção por sua vez

trouxe como testemunhas

o Perdão e o Coração

e creiam - sem tirar nem por -

também era sua testemunha

as Lagrimas do puro Amor

.
No banco dos réus sentado

juntinho ao Promotor

estava do Poeta o Amor

e se inicia o Julgamento

que como Secretário - Mor

relato neste momento
.
...
- Saibam Nobres Jurados

fala com enfase a Razão

que do réu Poeta - o Amor

feriu cruelmente a amada

e isso foi tão 'friamente'

sem nenhum calor ou nada
.
.
Convocada a Mágoa a falar

esta disse em seu depor

estar de fato morando

dentro da musa amada

devido que o amor falado

foi de lá expulsado
.
.

Do mesmo modo falaram

tanto o Orgulho e o Ciume

no Banco das Testemunhas

tais quais 'carne e unha'

defendendo a separação

qual instruíra a Advogada Razão
.
.
A Juíza e Douta Inocência

dá a vez para a Defesa

que nessa hora chorava

por estar emocionada

se sentindo qual o Amor do Poeta

julgadamente culpada...
.
.
Chamados então a depor

o Coração e o Perdão

expuseram aos Jurados

o sentir da Emoção

e que ao Amor do Poeta dessem

novas chances se quisessem...
.
.
Foi quando chamada a depor

as Lagrimas do puro Amor

simplesmente não disseram nada

só mostraram sua liquidez

que pelos ares se volatizando

foi a todos contaminando
.

E na Sala do Julgamento

ocorreu nesse momento

de todos se abraçarem

pois ao amar o Amor pertence

e o Amor do Poeta foi absolvido

pois "O Amor a Tudo Vence"!
.
.
Uma Ata então foi feita

e distribuída aos UniVersos

e os Mundos das Poetagens ficaram

em Mils cores de uma só Cor

e até o Criador de Tudo chorou

Com a Vitória do Amor!!!
*** * ***
...
gaDs!
*** *** *** ***

z

k

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Aproxima-se o Natal... Tempo de Refletir... - Que é Toda a Vida!!! gaDs

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Menino Zeca, como prometi aqui está o meu Julgamento do amor. Bjs

    O julgamento do amor

    Eu vou contar uma estória
    Que há muito se passou.
    Nos anais do universo
    ( se não me falha a memória)
    Foi o caso mais reverso
    Que a estória contou
    Que virou prosa e verso
    O julgamento do amor.

    O queixoso do processo
    Era um coração ferido.
    Por se sentir magoado
    Ficou louco e possesso
    Se transformou em malvado
    Queria o amor julgado
    Inquirido, condenado,
    E dos sentimentos banido.

    Isso causou reboliço
    No reino sentimental.
    Quase virou um ouriço
    Um rebu, um carnaval.
    O coração irritadiço
    Queria dar chá de sumiço,
    Queria fazer feitiço,
    Mas ver do amor o final.

    Ao tribunal dos sentimentos
    Todos foram convocados
    Pra fazer o julgamento
    Pra ver quem estava errado
    Se o amor ou o coração
    Qual dos dois tinha razão
    Quem merecia perdão
    Pelo corpo de jurados.

    Promotor e assistente
    Eram o ódio e o desespero.
    O juiz, naturalmente,
    Era a razão que, primeiro,
    Agia imparcialmente,
    E aos jurados presentes
    Que achava competentes
    Designou conselheiros.

    Pra fazer sua defesa
    O amor chamou a humildade
    Testemunhas, com certeza,
    Eram o perdão e a liberdade
    Os dois tinham destreza
    Argumento e autenticidade
    Para mostrar com clareza
    Com quem estava a verdade.

    A promotoria primeiro
    Fez a sua explanação
    Acendendo o braseiro
    Dando ênfase à discussão
    Fez do amor um bandoleiro,
    Que usando da encenação
    Se fez de manso cordeiro
    Pra enganar o coração.

    E em sua eloquência
    Mostrou um amor malvado
    Que agiu com inconsequência
    Com o coração que, coitado,
    Amava com inocência
    Entregando-se sem cuidado
    A quem não tinha decência
    Para ver que agia errado.

    Foi um logos muito extenso
    Que promotoria usou
    Num tom pausado e intenso
    Um a um enumerou
    Defeitos horríveis, imensos,
    Que o queixou lhe contou
    Ao que o réu era propenso
    E quanto o feriu, maltratou.

    A defesa entrou em cena
    Na maior tranquilidade
    Tinha certeza plena
    De mostrar toda verdade.
    E disse com voz serena:
    -Pra este réu não há pena!
    Quem condena a liberdade
    E coloca o amor na arena?

    Quem quiser o amor prender
    Deixe-o livre pra voar
    Porque prender é perder
    Preso ele não vai ficar,
    E, se ficar vai morrer!
    O queixoso quis matar
    Aquilo que é viver
    Porque nunca soube amar!

    Portanto, senhores jurados,
    O amor é emoção.
    Eu defendo um condenado
    Que não conhece prisão.
    O queixoso é o culpado,
    Pois, nesta situação
    Foi ele que agiu errado
    Fez do amar condenação.

    O amor é um sentimento
    Que conhece a eternidade
    Que seja por um momento
    Vivido com intensidade
    Se, amado simplesmente,
    Em completa liberdade
    É síntese e argumento
    De toda felicidade.

    Quando a defesa encerrou
    Um murmúrio foi ouvido
    O cochicho circulou
    E foi ganhando sentido,
    Logo após se confirmou
    E virou um alarido
    Quando o Juiz decretou
    - O amor foi absolvido!

    Marsoalex – 06/10/2015

     

  • MARAVILHOSO, O AMOR VENCE SEMPRE, E A POESIA É O AMOR EM EXPRESSÃO. APLAUSOS MIL. MAISTRAL. PAZ E LUZ

    • Norma Aparecida... Primeiro devo dizer que é per si ua Poesia tua imagem entre a linda Natureza Verde!

      .

      Obrigado pela visita carinhosa... Logo visito tua Pagina e sentimentos expostos!

      Beijosss - gaDs

  • Relendo essa maravilha, menino Zeca e me encantando novamente com a beleza desse competente julgamento poético. Demaisssssssssssssssssss! Bjs

    Depois vou escrever o julgamento do amor.

    • Oiii Menina de Marso...

      Uau - Que legal! Adoro quanto um tema - se entrelaça ou ainda melhor - se prolonga

      em multiplos Actos! Vamos aguardar ansiosos (no melhor sentido)

      Bikokosss - gaDs

  • Adm

    Este é espetacular, já trabalhei com meus alunos. Belíssimo Zeca.

    • Oiii Proeir Edith...

      É mesmo! Nem me lembrava... Mas... Como os Alunos interpretaram os Sentimentos envolvidos

      neste Julgamento? Não me lembro se nos informou!

      SKMA - gaDs

  • Zeca: Você, no Tribunal do Amor, fez com que acontecesse um julgamento onde estavam presentes todas as partes surgindo daí um resultado maravilhoso onde o "amor sempre vence". No que me diz respeito, você, Zeca, é um defensor dos defensores dos Poetas que amam amar o amor. Lindo demais! Parabéns! Abraços mil

    • Querido JC que outro JC deixa claro estar em Ti...

      Sua Visita muito me honra... - Mesmo suspeito por ser teu fãZeca - não me envergonho

      em dizer que sua aura - ultrapassa os Monitores e adentra qual perfume em nossas

      corações - mentes e Almas!

      .

      Logo revisito tuas Maravilhosas Inspirações (amei em Special as de cunho Spiritualista!)

      Abraços FraTernais - gaDs

  • Lindo, muito lindo seu poema, Zeca!

    Parabéns! Bjs

This reply was deleted.
CPP