Poesias

Ele a amava

Ali estava sua dama
Estranha a qualquer sorriso de antes
Deitada e ainda sim ofegante
Exausta de uma forma confortante
Repousada em êxtase
A sua dama deslumbrante

A sua dama
Estranha... Exausta de amor
O mesmo que tanto tempo desejou
Até ignorou, mas se arrependeu
Estava vermelha como a echarpe que no chão jogou
E que ali esqueceu

A sua dama
Vermelha de amor, ela repousava
E amanhã partiria
E ele pensava que nunca mais iria vê-la
Seu corpo era o que ela desejava
O lixo de sua paixão a acalentava
Ele queria esquecê-la
Porém, ele a amava

A sua dama
De uma estranha paixão que o dominava
E ele a olhava exausta, na cama, ao lado de uma flor
Vermelhas como sua feição
O corpo daquela dama era a cura de seu antigo amor
O amor que encontrava na solidão

Sua dama partiria
Satisfeita com mais uma noite de prazer saciado
Onde seu desejo era atendido
E por ele somente era observado
Que só sabia seu corpo entregar
Que só sabia aquela estranha dama amar

Ele se entregava
Ele a amava

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • La imagen puede contener: texto

  • Um lindo poema que venera o lindo amor

  • Parabéns, poeta, poema lindo, cheio de desejo, sonhos, medo, melancolia... Abraços, paz e Luz!!!

  • Que poema mais mimoso, Geovani.

    Lindo! Lindo!

    Abraços,

    :)

  • Belíssimo, Geovani! Parabéns! Bjs

  • Que lindo Geovani, já havia dito, perfeito! Parabéns!

  • Muito bonito amigo Geovani,  parabéns, abraços.

This reply was deleted.
CPP