Poesias

Julgamento do Amor (by: Marsoalex)

O julgamento do amor

I

Eu vou contar uma estória
Que há muito se passou.
Nos anais do universo
( se não me falha a memória)
Foi o caso mais reverso
Que a estória contou
Que virou prosa e verso
O julgamento do amor.

II

O queixoso do processo
Era um coração ferido.
Por se sentir magoado
Ficou louco e possesso
Se transformou em malvado
Queria o amor julgado
Inquirido, condenado,
E dos sentimentos banido.

III

Isso causou reboliço
No reino sentimental.
Quase virou um ouriço
Um rebu, um carnaval.
O coração irritadiço
Queria dar chá de sumiço,
Queria fazer feitiço,
Mas ver do amor o final.

IV

Ao tribunal dos sentimentos
Todos foram convocados
Pra fazer o julgamento
Pra ver quem estava errado
Se o amor ou o coração
Qual dos dois tinha razão
Quem merecia perdão
Pelo corpo de jurados.

V

Promotor e assistente
Eram o ódio e o desespero.
O juiz, naturalmente,
Era a razão que, primeiro,
Agia imparcialmente,
E aos jurados presentes
Que achava competentes
Designou conselheiros.

VI

Pra fazer sua defesa
O amor chamou a humildade
Testemunhas, com certeza,
Eram o perdão e a liberdade
Os dois tinham destreza
Argumento e autenticidade
Para mostrar com clareza
Com quem estava a verdade.

VII

A promotoria primeiro
Fez a sua explanação
Acendendo o braseiro
Dando ênfase à discussão
Fez do amor um bandoleiro,
Que usando da encenação
Se fez de manso cordeiro
Pra enganar o coração.

VIII

E em sua eloquência
Mostrou um amor malvado
Que agiu com inconsequência
Com o coração que, coitado,
Amava com inocência
Entregando-se sem cuidado
A quem não tinha decência
Para ver que agia errado.

IX

Foi um logos muito extenso
Que a promotoria usou
Num tom pausado e intenso
Um a um enumerou
Defeitos horríveis, imensos,
Que o queixoso lhe contou
Ao que o réu era propenso
E quanto o feriu, maltratou.

X

A defesa entrou em cena
Na maior tranquilidade
Tinha certeza plena
De mostrar toda verdade.
E disse com voz serena:
-Pra este réu não há pena!
Quem condena a liberdade
E coloca o amor na arena?

XI

Quem quiser o amor prender
Deixe-o livre pra voar
Porque prender é perder
Preso ele não vai ficar,
E, se ficar vai morrer!
O queixoso quis matar
Aquilo que é viver
Porque nunca soube amar!

XII

Portanto, senhores jurados,
O amor é emoção.
Eu defendo um condenado
Que não conhece prisão.
O queixoso é o culpado,
Pois, nesta situação
Foi ele que agiu errado
Fez do amor e amar condenação.

XIII

O amor é um sentimento
Que conhece a eternidade
Que seja por um momento
Vivido com intensidade
Se, amado simplesmente,
Em completa liberdade
É síntese e argumento
De toda felicidade.

XIV

Quando a defesa encerrou
Um murmúrio foi ouvido
O cochicho circulou
E foi ganhando sentido,
Logo após se confirmou
E virou um alarido
Quando o Juiz decretou
- O amor foi absolvido!

***************

Marsoalex – 06/10/2015

CPP

CPP

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Marsoalex

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • JULGAMENTO-do-AMOR

  • Obrigado, menino Zeca! Fiquei emocionada em ver o meu poema em sua página. Você é demais! Bjs

    • Não é a Pagina do Zeca. Esta Pagina é de Todos Nós.. É da CPP!

      Ah... E  este Vídeo está abrigado no Youtube - inaugurando a Conta EXCLUSIVA da CPP junto ao Youtube. Visitem-na conforme puderem!

This reply was deleted.
CPP