Poesias

VENTO NORTE

VENTO NORTE

O que me pesa é o passado.
Foram dias longos,
Madrugadas intensas.

Uma vida,
Verdadeira...

Com todas as chances e perdas,
Os erros no tempo errado,
Os acertos, flutuando no quando.

Tentei evitar o corte,
Mas a lâmina curva da foice
Teve como destino as minhas entranhas.

Criaturas estranhas cruzaram meu caminho.
Fingindo amor, transformaram dentes em presas,
Rasgando minha pele e sangrando minha alma.

Perdi as minhas digitais
Acariciando o couro invisível da falsidade.

Quantas horas contei, perdidas,
Nos cantos em que me escondi,
Da vida...

Ah, meus olhos!

Eu não sabia
Que a nudez
Fosse capaz
De cegar o homem.

O céu tornou-se apenas senhor das chuvas,
O mar, tristemente, afogou a esperança,
O que flutua agora
É o reflexo que não se firmou no espelho.

Torna-me-ei velho
E sem a sabedoria dos anciãos,
Meu coração será o símbolo
Da flecha que trespassa
O músculo que insiste
Em palpitar,
Aquém de qualquer motivo.

Eu pisei nos sonhos que plantei.

A lógica matemática dos pensamentos
Não definiu o resultado
Dessa equação sem fim.

O amor é o lírio despedaçado
Que brotou das minhas lágrimas.

Páginas futuras
Poderão vir a ser um livro,
Mas agora,

Quando sopra o vento norte,
A morte vem a galope.


Mário Sérgio de Souza Andrade - 09-03-2017

"Quem deve para a vida, será cobrado pela morte"

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e das Poesias.

Join Casa dos Poetas e das Poesias

Comentários

  • Adm

    Encantada com tão belos versos, Mário! Meus aplausos! Bjs

  • Adm

    A morte está para todos e quando chega o dia, ninguém se esconde.

    Belo e reflexivo poema. Mário.

  • Adm

    Sem dúvida, o norte dos seus reversos quase universais, tendendo para o coloquial, sem rebuscamentos admissíveis ou termos forçados para dar ostentação. Cumprimentos poeta Mário Sérgio!

  • COISAS DAS MADRUGADAS TRAZIDA PELO TEMPO ONDE A ESCURIDÃO GRITA

This reply was deleted.
CPP