Decisão

 

Na solidão das noites escuras de outono

Não dormir, pensar em nós é como se a vida

Abrisse aquela cicatrizada ferida

E novamente eu chorasse a dor do abandono.

 

A falta de ti, causa-me imensa tristeza,

Mas eu preciso acostumar a viver só.

Enfrentar sem medo todas as incertezas

E varrer o passado retirando o pó.

 

Meu sentimento por ti, foi real, verdadeiro.

Eu não fui a mulher dos teus loucos devaneios

Sei, trouxe a tua lembrança, do amor primeiro

E não consegui sanar todos teus anseios.

 

Sai da tua vida para não lamentar

E cada um segue sem remorso -caminhos

Pensei ser melhor que procurasse quem amar,

Eu não desejei ser no teu viver, espinho!

Agora sabes a minha decisão...

 

Márcia A Mancebo ( 24/04/2017

&

 

 

FECHO  A PORTA PARA A DOR

 

Toda mulher já sentiu na vida

A explosão de uma grande paixão

Algumas ainda guardam as feridas

Da tristeza da desilusão

Pergunto por que tanta tristeza

Se a vida nos permite aprendizado

Sofrer decepção é coisa normal

Pior é ficar presa ao passado

Paixões são iguais as  ondas do mar

Algumas nos refrescam a alma

Outras, trazem-nos  o caos para nos acordar

Por que me culpar se não suprir teus anseios

Ou viver solitária a falsos devaneios?

Libero perdão para minha inocência

De acreditar em ilusões 

E perder –me na incoerência

Bom mesmo é seguir a vida sem o remorso -caminho

Pois, doei-me pelo que acreditei

Fui mulher para tocar nos espinhos

Mas a chuva dos meus  carinhos

No teu pomar findou

Não sou mulher de viver de migalhas

Liberdade é a brisa que sopra na minha estrada

Fecho a porta para a dor

Decidi seguir a vida

Sem as  sombras de um falso amor.

ANA LUCIA MENDES DOS SANTOS SAMPAIO

19/06/2017

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP