Abrigo seguro

 

O que vejo, Senhor

Gestação de gêmeos com vossa luz a lhes proteger?

Uma só placenta,  no mesmo amor!

Uma enorme cesta com uma poderosa luz

Onde se abrigam duas crianças com frio?

A duplicidade do homem com seu lado bom

E seu lado mau, frente a frente com a luz de Deus?

O lado bom e o lado mau repousam perante ela?

Um menino que dorme amparado na luz frente a um espelho?

A serenidade no rosto do pequeno impressiona.

Há abandono na certeza da proteção e abrigo.

O que me remete esta cena?

Enquanto pequena achava que meu pai

Era um Deus todo poderoso,

Dormia assim, na esteira de taboa

Com travesseiro de paina,

O mundo era seguro e nada temia,

Acreditava que todos eram bons.

Na ingenuidade que os tempos não destruíram

Ainda acredito em lugares seguros,

Apesar das desilusões que se apresentam

Quero sempre encontrar uma cesta com uma luz no meio,

Para aquecer o frio do desencanto e serenar meu espírito cansado!

                                                                                 Maria Helena da Silva Campos Cruz

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP