Anfiteatro dos silêncios

Ficaram suspensas as nuvens
Clamando na tempestade
Balouçam no sulco do tempo que respira nos
Braços de tantas solidões informais temperando
Aqueles aguaceiros breves e sazonais

Respiro a manhã pontual que renasce a
Cada dia, embandeirando a luz abstracta
E virtual que acorda meu vocabulário
Poético e casual passeando no anfiteatro
Do silêncio quase colossal

É como namorar o corpo da solidão
Desnudá-la de prontidão alimentando
A fachada imóvel dos sonhos em reclusão

Respiro o ar das maresias constantes
Acariciando cada lamento vagando por entre
As bermas de todo silêncio intemporal e saltitante

Frederico de Castro

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Poeta D'Além Mar Frederico (perdoe minhas tantas Visitas que te devo

    - Sou teu fã Zeca desde que nos conhecemos)!!!

  • Magníficos versos, Frederico! Meus calorosos aplausos! Bjs

This reply was deleted.
CPP