Nudez selvagem

 

 Nudez selvagem

 

Prisão austera, desumana violência

Expor-se nu  pra provar inocência

Ninguém ouve sua voz, seu clamor

Cabeça baixa demonstrando temor.

 

Mãos entre as pernas... tristeza, depressão

Esgotaram as forças, restara decepção

Paredes úmidas, escura ...negridão...

Reduz o homem a nada, a solidão!

 

Sem sonhar, sem mais coragem

A nudez o torna selagem,

Mas no peito pulsa o coração

O vazio o fez perder a razão.

 

O que lhe resta a não ser esperar

Que o destino venha dele lembrar

E o liberte, o ouça com compaixão

Porquê de Deus, ele já teve o perdão.

 

Márcia A Mancebo

24/03/2018

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Magnífico !! Parabéns!! 

  • Não é fácil reconhecer os erros, mas é necessário, principalmente para se ter a liberdade.

    Lindíssimo teu poema.

    Parabéns, querida!

  • Se de DEUS ele já teve perdão, sua nudez não deve ser motivo de opróbrio, mas, símbolo de libertação...

    O problema do ser humano é não se perdoar e continuar mantendo-se aprisionado, humilhado, reduzido em sua culpa.

    Seu poema reflete muito bem sobre isso. Amei! Meus aplausos e minha reverência!

    Beijos!

    Nina

  • Belíssima interpretação, Márcia! Meus aplausos!

  • Versos comeventes e consoladores, Márcia!

This reply was deleted.
CPP