Polindo Estrelas

 

O desejo reside em polir estrelas

Deixá-las luzindo, luzindo, luzindo

Indefinidamente envolvê-las

Na inexorável magia do dia findo.

 

A noite inspira a legião de sonhos

Adorna minha cripta de tristeza nua

Desdenha, isola pensares enfadonhos

E realça a soberania de mimosa lua.

 

Degrau a degrau alcanço a telharia

Cuidadosamente pincelo os astrinhos

Enquanto a nova manhã não principia,

Acumulo um a um em baldezinhos.

 

Com a perícia do ourives acrisolo tais joias

E solto-as ao sabor dos ventos, em funil,

Meu gatinho embevecido fita-as como boias

Planeando no imenso e garboso céu de anil.

 

Rui Paiva

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • MA-RA-VI-LHO-SA! Poesia para ler e reler. Parabéns, poeta!

  • Lindíssimo amigo Rui Paiva, abraços.
  • Nesse baldezinho cheio de estrelas, a luz deve irradiar forte e lindamente...

    Que seus olhos possam iluminar...

    Lindo poema, amigo Rui!

    Beijos!

    Nina

  • Magnifico poema, Rui! Parabéns! Bjs

  • Belíssimo poema, poetAMIGO, Rui?
    Beijos!
    Nina
  • Muitos acham que escrever textos infantis é tarefa fácil. Muitas vezes precisamos aprender a valorizar mais a criança que estar dentro da gente. Não menospreze jamais essa criança! O que posso dizer mais diante do seu exímio texto menestrel Rui Paiva?

This reply was deleted.
CPP