REFLEXOS

REFLEXOS

Soberbos, calcando penhas escuras,
Negros cavalos de ébano passaram
Quebrando pedras que arremessaram
Cascalhos voando das ferraduras.

Todas essas contas cósmicas boiaram
Nos breus, muito longe das criaturas,
Junto ao barco da Lua, nas alturas,
Onde nuvens de azul noturno erraram.

Você olhou o céu, e abriu-se muita fresta
De luz, e astros colheria co’a mão,
Se quisesse, mas só os viu modesta.

Inda hoje penso que a constelação
A luzir em seus olhos é que empresta
Brilho às estrelas na escuridão.

(E. Rofatto)

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Seus reflexos são de uma pessoa sensível, muito bonito, parabéns amigo Edvaldo, abraços.
    • Grato, Cristina! Fico feliz com sua visita e comentário! Um abraço!

    • Grato, Marso! A sensibilidade da poeta confirma-se também na arte da designer: ficou linda a formatação! 

  • Lindo!

    Que mais direi?

    Boa noite!

    Nina

    • Grato, Nina! Que bom que gostou!

  • Você sempre com variáveis escritos que nos surpreendem. Admiro sua metodologia, e suas revelações literárias.

    • Grato, Sam! FIquei lisonjeado com sua generosidade!

  • Rofatto...esplendorosos versos!

    Aplausos Poéticos...

    • Grato, Zana!
      Fico feliz com sua visita e seu comentário!

This reply was deleted.
CPP