Vestal dos Mares

                

                         

                   Vestal dos Mares

          

          Naveguei infinitas ondas

          Por corais de lua

          Em  leito salgado

          Seminua

          Singrando espumas

          Sangrando o peito

          Onde guardo

           Infindos segredos

           Escondidos ou desaguados

           Como vestal dos mares

           Que numa noite  

           De danças serpentinas     

           Envolta em sedas e purpurinas

           Sonhei que era tua

           Abraçada por suaves brumas

           No ruflar de asas voláteis

           De azuis profundos

           E silêncios abissais

           Renascida das águas  

           Em cauda de sereia

           Aguda voz soprano

           Ares de bailarina

           A flutuar em direção  

           Dum vento contralto

           Na lua de opala

           Que reflete seu rosto

           Gelado – face que

           Não se mostra–

           De Narciso afogado.

 

           Elzana Mattos

          

 

 

     

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e das Poesias.

Join Casa dos Poetas e das Poesias

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Lindíssimo poema, Zana! Uma sensação mística

    se apoderou de mim quando o li! Maravilhoso! Bjs.

  • Adm

    Viajei em teu poema. Maravilhoso! Bjs

  • Parabéns, poetisa, poema lindo, encantador... Abraços, paz e Luz!!!

    • Ilario, divino poeta!

      Uma alegria imensa... estar ao seu lado...

      nesta "casa poética" tecendo ideias e manhãs gentis!

      um abraço com carinho, Zana

  • Belíssimo amiga Elzana, sempre primorosa nas letras, aplausos querida, beijinho.

    • Cristina,

      uma alegria e honra...

      receber a palavra "primorosa"

      e, aplausos poéticos!

      Beijinhos perfumados...

      em seu doce e amigo,

      coração "lusitano".

      Zana

This reply was deleted.
CPP