"DAS CINZAS APAGADAS, RENASÇO EM LABAREDAS"

 

 

 

" Das cinzas apagadas, renasço em labaredas " 

Com o coração alquebrado

pela saudade, definho como

flor sem adubo, sem carinho...

Tenho os sonhos mortos pela

dantesca tristeza que atualmente

faz morada no meu coração.

 _Passado de sonhos encharcados

de volúpia, quando uma boca se

apossava da outra,

(tanta sede de novidades), que diante

do meu homem era a faísca para o

início do ritual do amor sem censura.

 _Entretanto, nessa época em que

o Brasil se veste de paetês,

lantejoulas, missangas, e plumas,

e em todos os cantos e recantos

escuto o retumbar dos tambores,

as notas do bandolim, o toque

do pandeiro; redescubro todos

os desejos e fantasias...  

Tudo vem à tona...

 A libido fica a flor da pele; o erotismo

me toma...

_Me deixo levar pelas disparidades

de sons que ecoam pelo Brasil afora...

Então...

″Das cinzas apagadas, renasço em labaredas

 

Luly Diniz.

31/01/18.

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Gestores

    • Que bom que gostou Angélica,

      obrigada pela linda imagem,

      beijos no seu coração.

      Bom dia!

       

  • Parabéns Luly!

    • Abraços...........

      Luly

  • Gestores Adm

    A mente do poeta é incrível. Que bonita tua linha de desenovlvimento do tema.

    Aplausos Luly.

    • Obrigada Edith Lobato, bom ter o comentário de uma verdadeira poetisa.

      Abraços....

       

  • Gestores

    Você conseguiu articular tudo em colóquio interessantíssimo.

    • Boa Trade SAM MORENO, agradeço por comentar,

      Beijos no coração.

      Luly.

  • Se dá para sair dá tristeza de um amor que não mais é, da apatia que nosso Brasil vive, se o carnaval exerce esse poder sobre os foliões, sendo possível renascer das cinzas em labaredas...

    Então, ajá eô!!! Paetês , confetes e serpentinas! 

    Beijos!

    Nina

This reply was deleted.
CPP