Decifra-me se puderes

Estou quieto, não te confesso

Se estou na solidão ou se não estou.

Decifra-me se puderes

Que eu te pagarei a prenda que quiseres.

Guardo em segredo o que sinto.

Investiga-me, foca teus olhos nos meus.

Dizem que os olhos descobrem segredos

Quando não se deseja pronunciá-los.

E assim não precisará ler meus pensamentos

Nem tampouco ouvir da minha voz o que te escondo,

Apenas pelos meus olhos provarás que me conheces

Decifrando meus pecados e segredos.

Então tornar-me-ei um escravo de ti,

Cativo a ti sempre serei.

Serei endividado a ti pagar prendas

E sob teu domínio viverei.

Francisco Martins Silva

Uruçuí-PI-Brasil

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Magnífico poema, Francisco! Minhas reverências e aplausos! Bjs

  • Sensacional!! Encantada com teus versos!!! Parabéns!!!
  • Nossa...

    Que prazer ler tão inspirada Poesia - que decifra magistralmente o Tema Proposto!

    NOSSOS APLAUSOS - Menino de Uruçui - no Belo Piaui!

    gaDs!

This reply was deleted.
CPP