DECIFRE-ME SE PUDER!

Resultado de imagem para caminhada dos proscritos

O prefácio de uma histórica odisseia

delineado na tessitura dos versos meus

eclode nas manhãs pardacentas e, a ideia,

é vislumbrar a ranhura dos desatinos seus

 

Renuncio ao convite à ladainha dos proscritos

enquanto permanece o ato e o grito solerte

litania a pervagar na seara dos pares inscritos

para que o tempo, a seu turno, nos desperte

 

Face oculta da lua, o teu facho é azul-azul

infinita, indeterminada é a corrida abissal

tangendo até a constelação do Cruzeiro do Sul

na languidez do quase-noite do olho ancestral

 

Então ancoro nas nebulosas neblinas piramidais

minha túnica, meu cajado, um turbante qualquer

ilumine, pois, minha face com o lume dos castiçais

e, daí, despretensiosamente, decifre-me se puder!

Rui Paiva

 

 

 

 

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Prezado RVP Menino Poeta...

    Nos presenteia em cada Post com magistrais inspirações que nos aprimoram até as Almas!

    .

    Nossos Parabéns às Inspirações e ao SER inspirante e Inspirador das mesmas!

    .

    gaDs!

  • Que espetáculo nos proporciona!! Maravilhas em versos!! Parabéns!!

  • O próprio seguimento do seu poema já traz uma simbologia com a temática engajada na construção do poeta só poderia nascer essa teia assaz forte!

  • This reply was deleted.
    • Adoro o seu estilo, Nina! Eu escrevo apenas o que o meu coração vai ditando e se eu for contra ele, ele zanga comigo! Bjs

  • Prontinho, Rui! A imagem está em seu devido lugar. Aplausos para seu belíssimo poema! Bjs

  • Parabéns amigo Rui! muito...mas muito bom! abraço.

This reply was deleted.
CPP