DESENCANTO

Se ela conseguiu te enganar com sua  máscara

Fingindo um amor  que a outro acalentava

Se não consegues desvendar  seus sentimentos

Ver  frieza e  maldade em sua alma

A indiferença em seu olhar distante

O falso  riso a esconder o lamento

Com certeza vocês  não se pertencem

Nada é perdido, de todo, entretanto

Perdeu o bardo um amor que nunca teve

ganhou a poesia  um plangente canto:

 

Escondeste o amor que a outro  pertencia

Mascaraste o amor que por mim já não sentias

Fui enganado com  tuas mentiras

O outro  foi vítima de teu fingimento

Ficamos todos infelicitados

Eu dono de um amor que não passou de um sonho

Ele órfão de outro nunca revelado

 

Expresso a ti a minha intensa dor

Por não caber mais dentro de teus sonhos

Minhas vontades órfãs do amor

que a mim negaste pra meu desencanto

E mais restando a alimentar meu pranto

Teus lindos versos a falar de amor

 

Quero afirmar-te que não me resigno

de não acudires  a mitigar meu pranto

Bem sei  que outro já ocupou há muito

O coração que acreditei ser meu

Aguardarei atento e esperançoso

Quem sabe um dia volto a ser teu

 

F.J.TÁVORA

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Belíssimo Francisco!!! Parabéns!!!

  • Belíssima construção entre poesia e tema. A sintonia está perfeita! Meus parabéns! Bjs

    • Não bem sei se seu coração mais abriga divino talento de uma poeta de nomeada ou transborda em generosidade ao apreciar meu modesto versejar. Encantado com os elogios, por virem de quem vem.

This reply was deleted.
CPP