DISFARCE

 

 

 DISFARCE

 

Lábios encarnados cor de amora,

Dentes alvos feito marfim,

Hálito quente num desenho fátuo de felicidade...

Verdade necessária no rosto, feito maquiagem...

O sorriso fácil e raso esconde a dor que a alma mente

E sente.

 

Ninguém precisa saber que por dentro

Ela sangra e chora,

Que em lutas interiores impera, soberana,

A angústia, a solidão, ... e a necessidade de, ‘inda que fera

Parecer bela como faz agora.

 

O batom delineia a forma do sorriso largo e bonito

Enquanto a alma, em grito, se alimenta de torpor:

A dor é pink, cor de canela ou carmim,

Uma mistura de tons rubentes

E brilho falso.

Mas a alma por trás da face, pálida desfalece

No fundo do lábio que sorri como uma flor

Que logo desabrocha

E tão cedo fenece...

 

Quem conhece a beleza da rosa,

Simplesmente ignora

Ou desconhece,

Que a mesma flor que emociona e alegra

Traz consigo o rito de dor

Na crueza dos espinhos...

By Nina Costa, in 07/03/2018
Mimoso do Sul, Espírito Santo, Brasil.

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Maravilhoso!! Parabéns!!

    • Obrigada amiga Anjo!

      Beijos!

      Nina

  • Magistral, mesmo, Nina! meusrepetidos aplausos!

    • Obrigada, Marso!

      Sem dúvida alguma, saber-me apreciada em meus versos e receber esse carinho em comentário, faz muito bem ao ego dessa pseudo-poeta, que só , simplesmente só transcreve o que, imperiosa, a alma traça.

      Muitíssimo grata, amiga Marso!

      Beijos!

      Nina

  • Adm

    Uauuuu! Magistral inspiração.

    Reverências!

    • Obrigada, Edith!

      Ler seus comentários é sempre uma prazer à parte, uma massagem ao ego que ama  essa expressão de carinho. 

      Obrigada!

      Beijos!

      Nina

This reply was deleted.
CPP