Em versos seu lirísmo chora

 

Em versos seu lirismo chora

 

A paixão fez o poeta de amor delirar

Inspirado teceu versos encantadores,

Elevou no mais alto patamar...num altar...

 Dos brilhantes olhos fez seus refletores.

 

No coração eternizou com beleza

Cobriu com esmeraldas, sedas

   e as mais belas flores da natureza.

Em devaneio percorreu alamedas.

 

Fez as horas ardorosas e matizadas.

Renasceu, retomou seu caminho

Declamou poesias belas a amada

Ofertou-lhe   deliciosos carinhos.

 

Sequer, poderia imaginar, que um dia, porém

seria   traído por seu deslumbrado   gesto.

  Pois, mergulhou nesse   amor e fez-se refém

Tecendo poemas e aliviando em protesto.

 

Sofre hoje o poeta, por não ter sido compreendido,

 Todo o amor doado não foi retribuído

Pobre poeta!... Pelos cantos agora

 abandonado, em versos, seu lirismo chora.

 

Márcia A Mancebo (20 /11/ 2017)

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Linda obra poética, Márcia! Parabéns!

  • Maravilhoso seu poema. Identifiquei-me nos versos. Parabéns

  • Pode-se dizer, a bem da verdade mesmo, que muitos poemas nasceram exatamente de situações como a que descreveu, Márcia! E o que era só tristeza passa a ser outra coisa - em forma de beleza! Belos também, pelo talento d pela verdade que contêm, esses seus versos, Márcia!

  • Soberbo amiga Márcia, muito lindo mesmo, efusivos aplausos de pé, beijinhos.
    • Obrigada pelo seu comentário carinhoso,Cristina!
      Bjos
This reply was deleted.
CPP