Minhas chagas se fechando

formatado por livita

*****

Chegou um tempo e, pensei comigo mesmo:

Ah! Dessa vez, não escaparei!

Preso em um lamaçal de angústia,

Sem forças nenhuma para caminhar, eu gritei.

 

Um grito mudo que não alcançou nenhum ouvido

Não houve resposta alguma, a não ser

O eco da caverna úmida e fria onde

Eu me encontrava sozinho e perdido.

 

De repente, ouço um sussurro,

Um vento frio ia me envolvendo,

Meus olhos iam se abrindo lentamente,

Quando aparecia uma luz vindo da escuridão.

 

Então, senti meu corpo se aquecendo e

Minhas chagas se fechando.

Foi daí que, das cinzas apagadas,

Renascia em labaredas.

 

Jilmar Santos

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Cumprimentos pelo poema, visual e pela excelente substância.

    • Obrigado, poeta SAM!

  • Maravilhosa poesia Poeta Jilmar Santos. Meus aplausos. Um abraço.

    • Obrigado, Ricardo! 

  • Adm

    Incrível! Bela condução do tema, Jilmar.

    Parabéns!

    • Obrigado, Edith!
  • Bonito poema Jilmar.

    • Obrigado, Margarida!

  • Que lindas labaredas liricamente poéticas! Minhas reverências!

    • Obrigado, Marso!

This reply was deleted.
CPP