É no mar que escondemos

Nossos oníricos tesouros

Momentos supremos

Rutilantes qual o ouro

E, afora nossos degredos,

No mais escuro chão abissal

Imergimos nossos segredos

Impregnados do marinho sal...

 

Bendita seja a esperança

Que alimentamos nossa alma

Nas salinas da lembrança

Na vaga sucedânea e calma

 

Ó mares de todas as bandeiras

Inspira-nos sempre, medonhos,

As segregadas brincadeiras

Na forma arenosa dos sonhos

Da amada em flexuosos meneios

Desviando-se das escarpadas fragas

Oscilando bolhas no píncaro dos seios

E em espiral vibra a volúpia das vagas

 

E dirás: “Todos os sonhos

Perecem sem sal

Serão enfadonhos

Por bem ou mal         

Assim quais os mares

Em todos os recantos

Pátrias e patamares

Ressoam em seus encantos!”

 

 

 Rui Paiva

 

 

 

 

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Ó mares de todas as bandeiras
    Inspira-nos sempre, medonhos,
    As segregadas brincadeiras

    ...

    Que MAR-avilhosa Poesia compartlhas conosco sobre este Tema (que julguei meio difícil) Menino Poeta Rui Paiva!

    .

    Assumi em contemplação poética quando li:

    Ó mares de todas as bandeiras
    Inspira-nos sempre, medonhos,
    As segregadas brincadeiras (...)

    ...

    APLAUSOSSSSSSSSSSSSSSSSSSS MILSSSSSSSSSSSS - gaDs!

This reply was deleted.
CPP