Rasgando a madrugada

 

Rasgando a madrugada

 

É madrugada! O tempo não passa.

Ouço a cadência das horas, isso me agonia

Ansiosa, espero ver o amanhecer, raiar o dia.

Corpo cansado, olhos pesados...tudo embaça!

 

A tristeza me põe à prova e viajo no tempo

Destruo imagens para não lembrar,

Mas, a saudade sufoca, parece me matar.

Não há como impedir esse contratempo.

 

Lágrimas caem e a noite me maltrata

Escuridão...não há estrelas, nem luar...

O medo do escuro invade e vem para levar

a esperança e deixa que a solidão me chibata.

 

Rasgando a madrugada o forte vento,

rastreia o passado e traz à tona

O que queria esquecer...lembrança não me abonadona,

Recordo o abraço, o beijo alojado no pensamento...

 

Márcia A Mancebo

12/09/2017

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

    • Obrigada pela bela arte, Marsoalex!  

      AMEIIIII!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Beijossssssssssssssss

  • Cometi a liberdade de mostrar sua obra para um grande amigo- pois um trabalho feito com tanta desenvoltura, merece ser divulgado. Cumprimentos cordiais amiga poetisa.

  • Esplêndido poema, Márcia! Bjs

  • Poesia que traz a cadência da solidão e das temeridades da alma inquieta.Linda e cativante poesia.Parabéns

  • Lindo seu poema Marcia Mancebo

    Amei. Parabéns.

    Abraços poéticos

    Veraiz Souza

  • Que espetaculo...encantada!! Parabens!!
This reply was deleted.
CPP