Um amor guardado no baú de lembranças

 

Quando amamos apostamos no relacionamento

A alma fica repleta de tanta emoção, felicidade

Tecemos planos, e até apostamos na lealdade

São sonhos belos que não saem do pensamento

 

Então tempo passa, e um não tinha sentimento

Aquele que fazia fluir da alma toda capacidade

Aquele que entorpecia, não deixava ver a verdade

Uma paixão tão grande, sempre no pensamento

 

Mas a realidade é dura e faz sofrer o coração

Quando se faz promessas, ilude, quanta ilusão

Um amor que já dorme, agora é embalsamado

 

Na alma ainda resta lembrar de quanto tesão

Um louco amor, não sabia quanta dimensão

Que a coração lembra mesmo tendo superado

 

 Você foi embora, restam as lembranças então

De um amor profundo, enterrado no coração

Se você soubesse o quanto foi tão desalmado

 

(Norma Aparecida Silveira de Moraes)

 

 

 

 

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Lindo poema de amor e romantismo Norma Aparecida.
    O amor quando não é como a gente sonha e quer é mesmo
    dolorido e o que queremos é colocá-lo dentro de um baú e
    deixá-lo ali quietinho. Não sei se para guardar as boas recordações
    ou para esquecê-lo realmente quando ele foi desalmado.
    Muito bom, gostei muito.
    Parabéns
    Abraços de Veraiz Souza

  • Um amor que já dorme embalsamado

This reply was deleted.
CPP