Voo... Contar Carneirinhos Prá Dormir...

Voo leve em açoite pela imensidão...

Atravesso galáxias e constelações,

Voo livre sem asas em comichão,

Subo veloz, que nem um balão,

Voo leve feito bolhas de sabão!

          *****

Atravesso montanhas e penhascos,

Corro risco num trisco; e corro pró abraço,

Sou feliz, e não disfarço.

Um, dois, três... perdi o caminho...

 Outra vez, estou fora do ninho!

          *****

Então, recomeço a contar...

Para não ver, de novo, o dia clarear!

Um, dois, três, e quatro...perdi o sapato,

No rabo de um foguete; atirei no que vi,

Co’meu bodoque encantado e certeiro!

          *****

Saí de fininho, bem ligeiro...

Antes do Guardião m'encontrar,

Sou mais leve que o ar,

 A deslizar tobogã no breu,

C’os carneirinhos do céu!

          *****

Enquanto, o soninho não chegar!

Pulo daqui, pulo acolá, e meu doce segredo

Não vai revelar! Conto, ou não conto?!

1, 2, 3,4, e 5 mil, a tilintar feito sino,

Sou ou não sou um bom menino?!

          *****

 

Voo livre pelos espaços siderais...

Esperando, o soninho, chegar...

Chegue chegue de mansinho,

Quero dormir...dormir...

 Prá de novo... Sonhar!

  By  Elzana Mattos

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e das Poesias.

Join Casa dos Poetas e das Poesias

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP