Atividades

Inaê Sodré agora é membro de Casa dos Poetas e da Poesia
3 de Nov de 2016
Inaê Sodré atualizou o perfil
2 de Nov de 2016

Comentarios

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.

Sobre Mim

Aniversário:

Fevereiro 18


1) Qual seu nome completo?

Inaê Sodré


2) Sexo?

feminino


3) Data de nascimento

18 de fevereiro de 1976


4) Local de residência (apenas Cidade / Estado / País)

Ipirá- Bahia- Brasil


5) Mini Currículo (trabalho, experiências, gostos e ou preferências, família, produção poético-literária...).

Em 18 de fevereiro de 1976, nasce Inaê Sodré em Ipirá, Sertão da Bahia. Sua primeira experiência profissional foi como cantora em “banda de baile” aos 16 anos com as bandas Sinal Verde, Ases indomáveis e Flor de Lis. Depois trabalhou como backing vocal com Wilson Aragão, Raimundo Sodré, Celo Costa, Sérgio Otanazetra e Gerônimo. Em 2000, começa a estudar teatro no projeto Intercena de Carmem Paternostro ministrado por Meran Vargem no TCA - Teatro Castro Alves. Em 2005, assume dois papeis na peça Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto, sob a direção de Marcos Machado, no Espaço Xisto da Bahia. Como dramaturga, cria, escreve e interpreta, entre 2006 e 2007, o espetáculo de poesia, “Fêmeas”, sob a direção de Ildásio Tavares, no Teatro SESI- Rio Vermelho; CEPAIA, Casa do Comércio - SESC/SENAC, ILUFBA e na Maison du Brésil em Paris-FR. Em 2007, em Paris, faz um curso intensivo Le français par le théâtre, com a atriz e diretora Sylvaine Hinglais na Alliance Française de Paris-FR. Em 2008 e 2009, escreve/transcreve, concebe e interpreta o monólogo “Mirante dos Astros”, uma transposição da linguagem cinematográfica do documentário “Estamira”, de Marcos Prado, para a linguagem teatral. Com este espetáculo, ela se apresenta no teatro SESI do Rio Vermelho, ILUFBA, Sala Cinco (TEA-UFBA) sob sua direção; no Teatro Gamboa nova, sob a direção de Dodi Só e no Teatro Molière, sob a direção de Valdíria Souza. Em 2010, escreve e interpreta o monólogo “Palavra há Tempo” no Teatro Gamboa Nova e no Teatro Raul Seixas (Sindicado dos bancários). Em 2015, cria e interpreta “Estrela da quarta dimensão do Espaço: Tempo”, leitura dramática baseada no livro de poesia Reino dos bichos e dos animais é o meu nome de Stela do Patrocínio apresentação única no Cine Teatro Solar Boa Vista em 2015. Inaê Sodré é professora da Língua Portuguesa do Brasil, poeta e escritora, graduada em Letras-UFBA e mestre em Estudos de Linguagem- PPGEL-UNEB. Hoje, coordenadora e educadora na empresa Garagem Literária, em Ipirá- Sertão da Bahia.


6) Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Edith Lobato


7) Concorda em colocar Foto (que mostre Você) em Teu Perfil - para ser Aprovada/o?

sim


8) Concorda que as poesias eróticas (caso as poste), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


9) Concorda em interagir conforme possa, com os demais membros participando e interagindo das atividades da Casa?

sim


10) Concorda em NÃO POSTAR mais que 3 (três) Mensagens por dia no Blog Geral?

sim


11) Deixe o Link do Facebook ou Recanto das Letras (caso tenha) *Não coloque o "http"

http://Inaê Sodré


12) Publique neste espaço, um ou até dois textos de tua autoria. (não precisam ser extensos)

Dancemos Não apareça em minha frente! Ou dançarei até líquida me tornar Em tuas mãos serei pura água Respingando caos em tua verdade cristalizada Engessada de medo Conversa, de mistério e de desejo, Entrelaçada. Não apareça em minha frente! Ou virarei sangue para fecundar a tua terra infértil Destratada. Não, não apareça! Até que eu pereça em tua pele Não me revele teu nome até que eu descubra o meu Não jogue limpo! Não fale claro! Dancemos imundos como a vida nos concebeu. Inaê Sodré PALAVRA Quando a Palavra base tem vergalhão De virtude na conduta Não é qualquer assopro que a derruba O problema é que certas palavras não são mais usadas Como enternecer, terno, ternura A propósito: Qual palavra que você usa? A palavra doce? A palavra mole? A palavra chata? A palavra fole? A palavra faca? A Palavra dura? Eu só sei que quando se fala A palavra paira No ar Flutuante como pássaros de plumas. E se tua palavra fragmento Saísse por aí atento Voasse com as asas do vento E se colasse em outro lugar? Talvez seja lá que a palavra faça mais sentido. Inaê Sodré


Minhas Fotos

Minhas Discussões

CPP