Meus Recados

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e das Poesias.

Join Casa dos Poetas e das Poesias

Comentários

  • Fico aqui em seu quarto, querido e admirado Luiz, lindo, relindo seus poemas e comentários, dicas... Ensinanças.

    Espècialmente as que faz sobre as Baladas...

     Agradezco demais toda sua obra e amizade, poetazo.

    Gosto muito da nova foto sorrinte... 

     rsrs

     Abraços e Parabéns mil vezes!

     

     

  • Adm

  • Adm

    Seja bem vindo poeta Luiz Morais. Receba nosso carinho.

  • PARABÉNS Poeta Luiz Morais pela belíssima Poesia Premiada! Perdoe-me pela MINHA falha - que espero ter ora corrigido. Se tiver alguma outra incorreção - por favor nos informe para corrigirmos. Abraços fraternos. CdP

  • Olá: Seja bem vindo a esta maravilhosa Casa que acolhe à todos com muito carinho. Abraços

  • Adm

This reply was deleted.

Minhas Informações

Aniversário:

Julho 16


Qual seu nome completo?

Luiz Antonio de Morais


Sexo?

masculino


Data de nascimento

16/07/1953


Local de residência (apenas Cidade / Estado / País)

Piracicaba - Estado de São Paulo - Brasil


Item fundamental para aprovação. Fale sobre você ((trabalho, experiências, gostos e ou preferências, familia, produção poético-literária....).

Nasci em Tatui – São Paulo, em 16 de Julho em Tatui-SP. Meus pais, ambos professores me deram o privilégio de crescer às voltas com a arte, a literatura, música e poesia. Minha mãe tocava piano em casa e foi quem o iniciou ao amor da música clássica, apurando desde cedo seu gosto musical. Meu pai, poeta e escritor, meo orientou nos caminhos das letras, imprimindo desde cedo o amor pela leitura e escrita. Comecei a escrever aos 14 anos e ainda guardo com carinho os primeiros cadernos onde escrevia a mão, com tinta verde, poesias, contos e crônicas. Na juventude com a chamada das responsabilidades do, guardei dentro de mim o chamado do mundo da poesia e permaneci muitos anos em silêncio. No final do primeiro decêndio deste século, não resistindo ao apelo da alma poética e já com a vida mais tranquila, voltei a escrever e desde então nunca mais parei. Escrevo com heterônimos para as várias verves criativas e traço para cada um uma demonstração vivaz e apaixonada das minhas impressões do mundo e da vida. Alguns são dramáticos, outros compenetrados, mas cada qual carregando traços se beleza e poesia. Escrevo regularmente no Recanto das Letras e Luso Poemas. Publiquei dois livros de poesias “ Andarilho do céu” e “ Sonhando com Págasus”, havendo projeto de mais livros. Sou casado, não tenho filhos e gosto de cuidar do jardim e pássaros e sobretudo de escrever a vivência nascida na minha alma simples e de atitudes gentis, porém seguras e de certa forma às vezes surpreendentes.


Quem o/a indicou para a Casa dos Poetas e da Poesia (ou como ficou sabendo desta)?Cite o nome da pessoa que a/o indicou ou convidou.

Conheci a Casa dos Poetas através de Sam Isee


Concorda que as poesias eróticas (caso as poste), devem ser postadas no Grupo de Literatura erótica?

sim


Concorda em interagir conforme possa, com os demais membros participando e interagindo das atividades da Casa?

sim


Deixe o link do Recanto das Letras ou outro site onde possamos saber mais de você.

http://luiz-antonio-morais.blogspot.com.br/


Publique neste espaço, um ou até dois textos de tua autoria. (não precisam ser extensos)

Gazel das lamentações na morada dos mortos As campas rescendem o odor das alvas murtas floridas, vórtices de fumo, vapores de saudade deixando clausuras. Minha morada, sob laje fria reina tempo mudo e talvez feliz, bem sei que vi nas alturas das torres de marfim as esculturas. Qualquer que seja quem comigo esteja inerte neste campo, saiba que já ouvi sons de tambores de guerra, usei armaduras. Não tenho amigos com estes que viram as costas e desdenham, nesta desdita, na vereda onde lasso me perco em conjecturas. Tanto almejei que minha alma voasse na direção duma estrela, ledo engano; desci aos abismos, vaguei pela terra em fissuras. Desta trilha senão só se afasta quando carnes do pó voltarem, os tempos e eras ora vejo passarem longe de amadas figuras. Olhos fixos, já um tanto marejados, quase vertendo lágrimas, forte emoção, rica na saudade, ao passado rendendo mesuras. Sob lápides, mortos sussurram frases carregadas de pesares, a voz não mais ecoa, palavras são de areia, tão só amarguras. 23.09.2013 sou poeta amador Sou poeta amador nem por isso sou menor sei que tenho meu valor me intoxica esse vapor sempre tenho sentimento não digam que é azedume nunca foi meu mandamento me esconder sob um tapume não me tomem por um legume não desdenhem minha escrita não me joguem no pretume que açulam minha vindita descrevo sem desfeita, meu sofrer e meus amores não preciso de receita muito menos prescritores. mas se a coisa é suspeita quando vejo tanto adubo já saindo pelo tubo meu poema não sujeita gosto mesmo é de perfume nunca fico à espreita quando vem algum agrume a resposta já se ajeita do respeito até o ataque a via é muito estreita quem costuma ter achaque sempre fica à espreita não respondo com ofensas nem me ficam as expensas desde que foi meu nascimento que mantenho o fundamento No final eu só comento: quando muito é o fingimento o valor em julgamento, sempre causa sofrimento diminui o rendimento obstrui o salvamento sempre causa abatimento anuvia o firmamento atrasa o lançamento proporciona aditamento Ufa!!!! tudo isso só lamento ! 05042013


Minhas Fotos

Minhas Discussões

Eia bellarose!

. .. Enlutado, choro a triste sina das pétalas delicadas, linda rosa carmesim que teve efêmera existência, do tronco cruelmente arrancada sem clemência. Também vazado de mim, ao longo das estradas, vi-me triste Pierrô decorridos tantos invernos, nas…

Saiba mais…

Balada da visitação derradeira

. . .   Ao ver-te tão linda assim, uma princesa como numa tela que pintou Villaespesa, sinto agora não poder teu corpo enlaçar, e nem ternamente outra vez te beijar, como aconteceu naquela primeira vez, encantando-me com tua beleza e altivez. Sinto…

Saiba mais…

Quando a vida se vai

Quando a vida se for... Não te restará a luz, terás o corpo sem dor, sem tua sombra no chão, a te acompanhar nas tardes quentes de verão. Ante o rosto do anjo operoso, quando a vida se vai, quão pode ser doloroso, antes de exalar derradeiro “ai”,…

Saiba mais…

Sinto medo de não poder contar estrelas

Apenas observo, não me atrevo a orar mais, pois esqueci as palavras das ladainhas, sinto que me ameaçam os círios roubando-me a luz dos olhos. Esse murmurar que ora desfiro rouco, eu mesmo ouço num eco canhestro, como o som de címbalos extraviados…

Saiba mais…
CPP