Posts de Luly Diniz (122)

O TEMPO PASSA...

O tempo passa; os dias se sucedem...

Dia após dia corre o tempo, mesmo na rotina dos nossos dias nada é igual;

sempre há algo novo que nos surpreende.

__Um botão em flor que se abre no jardim, um pássaro que vem cantar na janela,

um telefonema de um a muito esquecido, que faz chorar de alegria; um abraço inesperado.

Assim os dias passam, viram semanas, as semanas meses, quando percebemos o ano termina.

Um ano que deixa algumas marcas no coração, na alma, que faz chorar de alegria,  de tristezas,

e saudades... Viver não é fácil, não é brincadeira...  É preciso ser forte, e acima de tudo termos fé.

Acreditar sempre que só o amor constrói; que apesar das perdas somos filhos de um Deus misericordioso

que nos ama demasiadamente. Desejo que neste ano que vai principiar, que repensemos nas nossas ações,

principalmente com nossos irmãos (os desfavorecidos).

Desejo eu os pais sejam realmente participantes, que os filhos não descartem seus pais, que as famílias se unam,

que plantemos o bem para termos uma boa safra.

FELIZ ANO NOVO PARA TODOS NÓS...

Saiba mais…

UM DIA; QUEM SABE...

Conhecerei teus silêncios...

Desfolharei tua alma

Serei dona dos teus desejos

Serei tua metade na cama

 

Um dia quem sabe...

Terei teus beijos molhados

Serei tua razão de viver

O esplendor dos teus olhos

A flor que te dará prazer

 

Um dia quem sabe...

Serei o refúgio dos teus espasmos

De prazer numa noite sem luar

Terei a cruel solidão ceifada

Terei para mim o deságue do teu mar

 

Na despedida teu peito estará aflito,

Pois deixará teu casual abrigo

Teu poema de amor nunca escrito,

Por fim passarei a ser teu doce castigo.

 

Luly Diniz.

Saiba mais…

E A MENINA CONVERSOU COM A LUA...

E A MENINA CONVERSOU COM A LUA.

Lá estava ela contando estrela falando com a lua,
Olhando de relance seu mar azul pelo canto dos olhos,
Tão pequena, tão cheia de sonhos no coração.
Analisava junto com a lua indagando como os anos iam
Passando como voando numa carruagem cavalgada pelo
Matreiro e devastador vento norte.
Dialogava como tudo passava rápido, e que já sentia
Que seus dias de menina iam chegando ao fim.
Já via seu corpinho mudar, seus sonhos modificar.
Seus desejos a faziam especular o porquê do seu coração
está a doer sem que soubesse uma razão compreensível.
A Lua a sorrir respondeu com a sabedoria de uma mãe:
__Minha doce menina, o tempo está se encarregando
De mudar seu coração, sua alma e todo seu Eu,
É assim o processo de crescimento, ele chega transformando
Os sonhos, traz uma dose de incertezas, pitada picante de
Dor, dor essa que por vezes não temos ideia de onde vem;
Mas para tudo tem uma resposta; é só dar tempo ao tempo.
Mesmo sem ter o entendimento esperado pela Lua a menina
Deu seu melhor sorriso e aceitou a explicação com orgulho.
De si para si; pensou: Hoje a Lua falou comigo como se
Eu fosse gente grande, jogou com sua ainda pequena mão um
Beijo para sua eterna e fiel amiga.
Voltou sua atenção para as estrelas que pararam de brincar para
Também ouvir os valiosos conselhos da velha e bela Lua.
Acenou para seu céu brilhante foi falar com seu anjo da guarda
para pedir ao tempo que parasse de correr e a deixasse por mais tempo
ser a mesma menininha que amava o mar,
conversava com a Lua e contava estrelas.
Dormiu com um suave risco de sorriso na face infantil.

Luly Diniz.
21/12/17.

Saiba mais…

FOLHAS...

As folhas caem tristes

Soltas estão ao léu

No breu da noite

Na lama do meio fio.

 

Assim é a vida... A morte...

Folhas soltas, umas escritas outras vazias...

Umas lidam outras desprezadas...

Folhas que voam sem saber aonde vão...

 

Folhas repletas de sonhos perdidos

Lutas vencidas derrotas permitidas...

... Folhas rasgadas de um livro infantil,

Que olhos humildes nunca lerão

 

Folhas que sangram na manhã,

Abanadas nas caras curiosas

Pela desgraça alheia... (ratos),

Compradas e lidas parados no sinal.

 

Folhas com saudade... Molhadas de lágrimas

Borra a tinta rasga papel... Serve de limpador

Limpa tudo, só não limpa a vergonha do sem-vergonha,

A dor da indiferença... Das folhas que cobrem o pobre,

Que do frio se cobre agarrando a folha dos dentes do vento

 

Folha de pedra escrita a fogo

Com leis que ninguém segue

Pichada pela ignorância...

Louvada sem sabedoria.

 

Folhas picadas em rodinhas

Soltas na falsa alegria

Nas caras pintadas da folia

Enganando a eterna melancolia.

 

Folha tremulante festeja o colarinho branco

De punho fechado risco na cara do riso sem riso

Zombando (TU) bobo da corte sem graça

Mendiga olhares de quem não mais te vê.

 

Folhas de bolas em cor

Vermelha, amarela, azul.

Decora a noite do Belém Belém

Farta de gula, pobre de oferta.

Folhas barcos sem leme

Sem ancora, sem bússola

Sem norte nem sul cheio de dor

Navega na lama do rio da vida.

 

Luly Diniz.

Saiba mais…
CPP