Posts de Paolo Lim (56)

EXERCÍCIO

Rimas cheias com "ão",
sabores à canção,
metem medo nas crianças,
fazem forte a oração.

Servem ao amor, ao coração,
imitam o bicho papão,
adjetivam provérbios de Salomão
e explodem bolinhas de sabão.

Essas nuvens nuvulosas
trazendo chuvas dadivosas,
pintassilgos e curiós,
parolas que desatam nós,
traidoras e traíras,
chulés e ziquiziras,
me fazem inocente
me obrigam ser coerente,
escrever poemas malucos,
espremer da vida os sucos,
rever a Maria Fumaça
que passava lá na praça, 
lembranças do mundo afora,
mais bonito que agora:

- Flagrantes da vizinha
caminhando no quarto de calcinha;
Latido do Bozó
como um samba duma nota só;
Causos e meu casulo
de quando tinha medo de escuro,
brincava na beira da praia,
dava pernadas, rabos de arraia.

Mas voltemos ao rimado com "ão" -
É o bão, é o bão, é o bão ! -
que nos inspira ser profetas,
prever, ler a mão,
aumentativo de tudo
e está na palavra "não":
- Soa amplo, 
tem impacto de trovão.

Vem, me tira desta confusão
de falar sobre as rimas com "ão"...

                                                                              Paolo Lim

Saiba mais…

POLÍTICA

Mentira !

Me tira e mente.
Displicente, mente.
Displicentemente.

Cumula, ativa e mente.
Cumulativamente.

Só, mente.
Somente mente.
Sorrateira, mente.

Mente que mente.
Sorrateiramente.

Simplesmente !

                                      Paolo Lim

Saiba mais…

GOSTO ÁCIDO

Não quero o tédio da manhã igual.
Quero vida, emoções comovidas,
esperanças até o final.
Abandono lembranças,bagaços de poemas,
insatisfações acumuladas, 
a pia quebrada,
e o gosto ácido das madrugadas.

Sou mero viajante vital,
meio missa e carnaval.
Não quero a dúvida que transborda,
o medo do grito que acorda,
a privada entupida,
passagem só de ida,
neuroses escondidas.

Quero um dia complicado,
encarar o trânsito engarrafado,
me livrar, sair do outro lado,
inteiro ou machucado,
não importa o resultado.
O chuveiro tá gelado,
o cano furado.

Quero encontrar novas trilhas,
observar as cercanias,
me fartar de novidades,
experimentar dificuldades,
rir das adversidades,
quebrar o velho liquidificador,
remendar o cobertor,
ser pleno de contradições,
inventar orações
e pagar as prestações.

Eu quero...

                                            Paolo Lim

Saiba mais…

RETRATOS

Pós graduado,
mestrado,
sabido,
desempregado...

Muito vivo,
propinado,
dissimulado,
evadido...

Extra-rico,
milionário,
listado,
escondido...

Vive de bico,
abandonado,
suspeito,
mendigo...

Muito jovem,
prendado, 
inteligente,
bandido...

Povo alegre,
batalhador,
desesperançado,
iludido...

                                 Paolo Lim

Saiba mais…

VAZIO III

O silêncio grita
no cenário imóvel
como uma película
que expõe o óbvio
em cena ridícula
de amor e ódio.

Meus olhos opacos
penetram à fumaça,
atravessam o tráfego,
identificam a massa
num momento trêfego
que se misturam raças,
expressões e falácias.

Vazios e de graça.

                                   

                                Paolo Lim

Saiba mais…

VAZIO II

Imagem e matéria.
Unha e carne.
Principal artéria,
lavagem, enxague,
visão periférica
antes que a luz se apague,
a tristeza levite,
a morte decifre
e a vida acabe.

                                  Paolo Lim

Saiba mais…

VAZIO

O que me escapa,
me foge
e me retorna
vazio.

Velhas sensações
revivendo o passado
e a natureza no cio.

Falo realmente -
palavras coisas -

só me restará o enfastio ?

                                           Paolo Lim

Saiba mais…

RESISTÊNCIA

Sibilando o sonho,
civilmente me ponho
examinando o ponto,
vírgulas do espanto,
desequilibrando.

Identifico plágios,
denuncio ágios.
xingo banqueiros,
atuais bucaneiros
da população acuada,
lesada, explorada
pela administração
cooptada, enferrujada,
despreparada.

Obro protestos,
não admito restos
para o povo que paga,
se esforça, rala,
e ao final se cala.

Alimento fogueiras,
faço clareiras,
acentuo meus esforços,
mergulho nesses poços
me encharco d' água turva,
mobilizo a turba.

Resistir é meu desejo,
contra ordens de despejo,
encarar o "Teje preso"
e a eclosão do medo.

O povo é frágil,
o inimigo é ágil.
O considera manipulável.

                                               Paolo Lim

Saiba mais…

ESPERNEIO

Crio e creio,
finjo, leio.
esperneio.

Ecos ocos,
tossidos, roucos.
Interpenetram,
querem saber,
questionam,
não sei responder...

Novos atos,
desacatos,
pugilato,
vai entender ?

- É um modelo.
Simples pesadelo.
- Pode ser...

Arrepios,
calafrios,
nasce o medo
tarde ou cedo.
Governa
o seu querer.

Buracos negros,
sepulcrais segredos
espatifados,
militarmente ordenados,
arquivados,
silentes,
contundentes,
transtornados.

Hoje é dia de folia.
Nada a temer...

                                                                    Paolo Lim

Saiba mais…

FACES

Minhas fases são faces
que antes nunca tivera.
As assumo sem make-up,
boto fé e jogo a vera.

Ora bonito e folgado,
ora triste, meio apertado...
Mas não tergiverso no bailado:
- Mostro o que há prá ser mostrado.

Não acredito que a coerência
possa servir à felicidade.
Por isso mudo de máscaras
que são faces de minhas fases.

                                                   Paolo Lim

Saiba mais…

POEMINHA

Confesso que já fui lírico,
fiz canções e serenatas...
Para muitos um poeta empírico,
para outros autor de poesias baratas.

A vida nos faz exigências,
impõe destinos e rotas cegas;
Precisamos de condescendências
para cumprir, passarmos por elas.

Sigo escrevendo meus exigidos versos
em cumprimento as suas vontades.
Recebo críticas e comentários diversos
e assim vou cumprindo minhas finalidades.

                                                                                                                                     Paolo Lim

Saiba mais…

MINHAS IDEIAS

Minhas idéias sonâmbulas,
mais ativas, insones,
acondicionadas como em campânulas
em meu cérebro que as consomem,
fiando fino fio 
que tecerá meu destino,
versam sobre dores e desafios,
tal qual quando menino
pensava em aviões e navios,
para escapar dos temores,
dos castigos dos professores
e das broncas dos meus tios.

Minhas idéias acordadas,
perfiladas, de mãos dadas,
se parecem embaralhadas,
confusas, irrealizadas,
mas portam o frescor das madrugadas
pelos grilos embaladas, 
ora tristes, ora animadas,
profundas e acabrunhadas.

Minhas idéias despertas,
ousam tomar como certas,
belezas duma vida liberta.

                                                                                            Paolo Lim

Saiba mais…

AQUELE MENINO

Os olhos daquele menino,
tão belos de se olhar,
não podem acompanhar seu destino
ver a cor do céu
ou admirar o mar...

Mas leva a vida sorrindo,
jamais se pôs a reclamar,
diz que sentir é tão lindo,
tão precioso,
que é como enxergar.

E lá vai aquele menino,
sozinho em seu caminhar...
Sorrindo à todos que passam,
admirando o cantar dos pássaros
tentando nos ensinar
sentir, tocar, amar.

                                                                                                  Paolo Lim

Saiba mais…

QUESTIONAL (NÃO LEMBRO O Nº)

Voz do mar. Da cachoeira em fúria.
O comerciante de água benta na cúria.
Dedos esguios dos bambus clamam
no solar ruído que os ventos cantam,
moldando a terra sob chuva que despenca
jorros d'água sobre a pobre e tenra avenca.

Desdenhar o mundo não é nada fácil -
É como um cego em seu mundo tátil. -,
em tudo a natureza enxerida se mete
e faz a parte que lhe compete :
- O bem e o mal que se repetem
no vagar eterno das ruínas.
Tudo é viagem, cumprimento de sinas,
imbecis gargalhadas da multidão de iguais
em meio putas que a satisfaz.

E a vida é tão pouca. Choca em meus dentes
arranhando, salivando repentes,
roendo noites, autorizando açoites
num feroz combate. Fecha a porta e bate,
encara o vento, fura o agora,
modifica humores, rumina, joga fora.

Alheio ao mundo, vivendo ao léu,
na beira da estrada, exposto ao céu,
segue o cão sem roupas ou malas,
sem sonhos de atravessa-la.

Será exemplo ? Tem história ?
Será que sofre pela vida simplória ?

Ah... Essas questões !

                                                                                   Paolo Lim

Saiba mais…

DESABAFO III

O reflexo na vitrine, intima.
Coincidência ou sina ?
Visões espelhadas da sociedade opaca
que discrimina, critica, boicota e paga,
pelo conforto do corpo, da imagem rala,
fechando caminhos, cuspindo na cara,
negando o óbvio que a miséria escancara
e o marginal atrapalha.

Joias roubadas, milionário ladrão,
manchetes sangrentas, um pedaço de pão,
o craque malhado, o politico lambão,
o pastor suspeito, que ganhou eleição,
no hospital baratas e corpos ao chão,
dividas rolando, olhem o "caveirão" !

Meu espaço privativo é parco.
Não preciso de mais, não.
Aliás, não precisamos...
Demais são os enganos
da política e da religião
que a sociedade aplaude,
toma como molde
e mete os pés pelas mãos.

Tudo depende da escolha -
como uisque ou cachaça de rolha -
no fim é a mesma trolha...

Ninguém sobrevive incólume,
não há bom ou ruim,
rico ou pobre,
numa sociedade chinfrim,
que destila filosofias
que descem pelos ralos das pias
e vão para o esgoto comum.

                                                          Paolo Lim

Saiba mais…
CPP