Posts de SAM MORENO (351)

Adm

>DOLORES FENDER – CARA A CARA COM SAM<

SAM MORENO
DOLORES FENDER


Desde já, agradeço imensamente à estimada poetisa Dolores Fender por sua atenção e por ceder um pouco de seu tempo para essa entrevista.

Dolores: Eu é que agradeço tão gentil convite, Sam Moreno!

S/M: Antes de começarmos as perguntas fale um pouco dos seus estudos
e das áreas que você atua!

Boa Noite, Sam!
Cursei o segundo grau completo e o Técnico em Prótese Dentária.
Em 2005 conheci a maestrina Silvia Luisada e a
Música passou a fazer parte da minha vida, intensamente. 

Iniciei duas faculdades, mas, não conclui nenhuma delas, a primeira foi Pedagogia, dois anos, fiz estágio em escolas, a segunda foi Letras Português.
Interrompi porque não dei conta da minha casa, da música e dos estudos, tudo ao mesmo tempo.

Minha função na orquestra Silvia Luisada - OSL - é Flautista, naipe das madeiras, somos sete flautistas, Dora, Elza, Nuna (flauta I), Marilda, Deuslira, Ivani e Eu (flauta II).
Ficamos em frente à maestrina Silvia Luisada, bem no fundo, próxima à percussão.
Continuo no Coral Rachel Peluso, minha voz é contralto.

S/M: O meu grande sonho é aprender tocar gaita por ser amante do blues – tenho que encontrar um bom professor.
Vamos a primeira pergunta você está preparada?

Dolores: Sim senhor, preparada!
Aprenda gaita sim, Sam!
Ouvir música é maravilhoso, executá-la é muito mais!

SAM: Muitos dizem que comprar livros é um desperdício de tempo já que a tecnologia dos computadores está substituindo essas funções atualmente.
Até que ponto você concorda ou discorda?
Dolores: Não concordo! É muito bom ler livros no computador ou celular, mas ter um livro nas mãos, o contato dos dedos no papel, tê-lo bem próximo ao corpo, ler sem intermediários que dependam de energia alheia, é mil vezes melhor.
Quando eu era criança, vivia abraçada com os poucos livros que tinha, à noite reunia meus irmãos menores e lia para eles, as histórias que mais gostava, eles se lembram disso até hoje.

S/M: Qual a diferença entre abstracionismo e surrealismo?
Dolores: Essa pergunta é difícil, não sei responder. Li e reli a respeito dessas duas correntes e as achei semelhantes, acho que em ambas, os artistas queriam romper com as normas rígidas e tradicionais. Queriam expressar o mundo da maneira que viam, da maneira que sentiam, queriam fugir da realidade que era imposta pela sociedade.


S/M: No Brasil em sua opinião, qual a cidade que representa bem a gastronomia do país.
Dolores: Acredito que seja São Paulo.

S/M: Se não é agora, quando?
Dolores: É melhor que seja agora, se deixar para depois o pássaro voa, a chance se vai,
o amor acaba...

S/M: Prefere uma ceia refinada num restaurante 5 estrelas ou simplesmente a companhia dos amigos comendo um belo churrasco ao ar livre no seu quintal?
Dolores: Prefiro um restaurante 5 estrelas, numa ocasião especial. 
Gosto dos meus amigos, mas não todos ao mesmo tempo numa comilança desenfreada e bebendo muito, prefiro conversar olhando nos olhos.

S/M: O homem também pode ir para a cozinha e a mulher trocar aquela lâmpada?
Dolores: Com certeza!


S/M: Nem tudo a boreste e nem tudo a bombordo?
Dolores: É preciso que haja equilíbrio! Senão ficamos à deriva da própria vida.


S/M: Até que ponto você acha que uma pessoa pode amar alguém?
Dolores: Uma pessoa lúcida ama enquanto se sente amada, os loucos amam eternamente. Amo eternamente!


S/M: Descrente é o indivíduo que crê piamente na descrença?
Dolores: Acredito que não! Se ele crê na descrença crê em algo, portanto não é descrente.


S/M: O que tem a dizer das pessoas que procuram os seus direitos, mas não cumprem os seus deveres!
Dolores: São tantas que agem assim! Egoístas, prejudiciais à sociedade, ao país.


S/M: Quais são os desafios e as singularidades de uma orquestra que você procura ressaltar?
Dolores: Pontualidade de todos os envolvidos aos ensaios e apresentações.

Os músicos têm o dever de estudar o repertório com dedicação. Manter uma relação cordial, respeitosa e amigável com os colegas e com a maestrina ou maestro. Manter o material de estudo, partituras, organizados e os instrumentos musicais afinados. Cabe (a) ao regente: afinação e a escolha do repertório pensando em quem toca e em quem ouve, além de orientar e conhecer bem cada um dos seus músicos.
O maior desafio é receber os aplausos da platéia e vê-la novamente em outras apresentações. Graças a Deus, é isso que tem nos acontecido.


S/M: Você impulsionaria um músico a tocar com mais paixão, ou com mais perfeição?
Dolores: Com mais paixão.


S/M: O que foi constitucional, em sua infância, para despertar seu interesse pela poesia, e pela música?
Dolores: Foram os livros escolares, acredito que a partir do terceiro ano. Eu adorava: A Flor e a Fonte – Vicente de Carvalho, (sabia de cor até pouco tempo atrás). A Bailarina e As Duas Velhinhas – Cecília Meireles, O Sapateiro e o Rei – Bulhão Patos, entre outros.
Na música tudo começou tarde demais, infelizmente! Em junho de 2005 ganhei um convite para assistir um concerto no Teatro Paulo Eiró. (Tem horas que eu acho que a mão do destino nos guia). Meu marido, minha mãe e dois irmãos iriam junto. Na noite anterior ao concerto fomos a uma festa e na saída, às 2 horas da manhã, tinham arrombado o nosso carro, a porta não fechava e tive que voltar pra casa segurando-a. No dia seguinte, sem carro ninguém quis ir, mas algo me chamava e fui sozinha. Foi lindo! Era a OFISA com apenas 1 ano de vida, hoje já tem 13 anos, e tinha uma Camerata de Flauta Doce que me encantou. No final do concerto a maestrina Silvia Luisada convidou a platéia para a Oficina de Flauta Doce que era ministrada por ela mesma. Fui! Fiz 1 ano de oficina (tenho até diploma), entrei na Camerata de Flauta Doce, no Coral Rachel Peluso e fui monitora por cinco anos da Oficina. Há nove anos a Camerata de Flauta Doce se transformou na Orquestra Silvia Luisada – OSL, que é a orquestra da qual faço parte como flautista. Toco flauta transversal.

S/M: Você também é preocupada com sua saúde?
Vigia o tempo todo à balança, ou faz como a maioria enfia o pé na jaca?
Dolores: Estava fazendo tudo errado, com os pés e a boca na jaca e em muitas outras coisas doces e salgadas demais, rsrs, até a semana passada, mas resolvi tomar juízo depois que fui à Endocrinologista e à Nutricionista.

S/M: Qual é o seu diagnóstico sobre o machismo?
Quais as suas considerações sobre o capitalismo?
Dolores: Machismo para mim é falta de bom senso.
O homem não é mais e nem melhor que a mulher, e vice versa, cada qual com sua peculiaridade.
Prefiro o Capitalismo ao Socialismo, porém, com bom senso, a propriedade pode ser privada, os lucros são direito de quem produz, de quem vende, de quem presta serviços, etc., o erro está na ganância exorbitada, na falta de respeito, na desumanidade.

S/M: Seu conselho para uma mulher ter uma noite de amor inesquecível.
Ser ousada, tomar a iniciativa, ser direta sem entrelinhas, um lingerie com aquele chamariz, ou um beijo mais ardente imediatamente diz tudo?
Dolores: Basta estar com quem ela ama e é amada, a sós, num lugar confortável e bonito, o resto acontece inevitavelmente.

S/M: Você acha que o poeta Rui Paiva é mais bonito do que eu?
Tenho cara de: Esquentadinho ou tranquilo?
Dolores: Kkk Não! O Rui Paiva é bonitão, mas não tem o seu bronzeado!
Você é muito simpático, agradável, brincalhão, atencioso com todos nós da Casa dos Poetas e das Poesias, faz comentários maravilhosos sobre nossos escritos, nos estimula a escrever. Se fosse esquentadinho nem leria o que escrevo. Não seria o padrinho da Angelina a Glamorosa. Com certeza é muito tranqüilo e consciente do que quer e faz.

 

S/M: Lei terrena e lei divina?
Dolores: Lei terrena: cruel – salve-se quem puder! Lei divina: misteriosa! Às vezes não entendo o porquê de tanta maldade com inocentes não ser punida, não ser evitada, não se voltar contra o próprio malfeitor!


S/M: Aquilo que observamos é realmente o que observamos?
Dolores: Não!
Depende do ângulo de observação, ou seja, depende da posição que estamos em relação ao que observamos. Ex.: ver uma mãe doando seu bebê para adoção, diremos que essa mãe é desumana, porém, se nos colocarmos no lugar dela, que tem nos braços uma criança que não pode alimentar e nem criar com dignidade com certeza veremos outra imagem dessa mesma mãe.

S/M: Que contribuições poderemos extrair da existência?
Dolores: Dá para resumir em apenas uma palavra: APRENDIZADO.


S/M: O que deixaria você literalmente nas nuvens?
Dolores: Ver meus filhos felizes, minha neta crescendo, sorrindo, quando sinto que um amigo (a) mora dentro do meu coração e eu dentro do coração dele (a), quando toco ou canto bem em uma apresentação, quando escrevo, e muitas outras coisas.
Como você pode ver, vivo nas nuvens!
Quando alguém me chama levo um susto e caio lá de cima, mas vôo pra lá em seguida.

S/M: Você concorda que as mulheres, apesar da capacidade de luta que possuem, trazem o instinto materno incrustado na alma, o que as impede de separar o joio do trigo?
Dolores: Concordo em parte: as mulheres, com a capacidade de luta que possuem, trazem o instinto materno incrustado na alma. Isso não as impedem de separar o joio do trigo.


S/M: A Dolores acredita que nós, na Terra, somos a única forma de vida em todo o universo?
Dolores: Não!
Eu acredito que há outro planeta.
Que há vida lá. Seus habitantes são poetas e poetisas. Alimentam-se de palavras, adoram viajar e às vezes pousam suas naves espaciais aqui na Terra e habitam entre nós por tempo indeterminado.

S/M: Literatura permite-nos sair do mundo real e chegar ao mundo da fantasia.
Ao mesmo tempo em que provoca a reflexão, responde a algumas de nossas inquietações
por meio de construções simbólicas.
Você confirma ou discorda?
Dolores: Confirmo! A Literatura nos dá asas, nos liberta do casulo corpo físico, permite que nossa alma viva experiências novas e as leve até o nosso cérebro, através da Literatura adquirimos conhecimento e passamos conhecimento aos outros também.

S/M: Será que existem impedimentos que você ainda precisa superar? Qual é a origem?
Dolores: Acho que muitos. Prendo-me aos meus filhos e marido, não consigo passar mais de um dia fora de casa, viajar sem eles nem pensar! A origem, acho que foi o modo como fui criada, o exemplo de minha mãe que estava sempre presente cuidando da família.

S/M: Quem são, em sua opinião, os cosméticos brasileiros que fazem parte da sua usualidade, que são capazes de competir em pé de igualdade com os importados?
Alguma dica para suas amigas poetisas dessa casa?

Dolores: Gosto de O Boticário e Natura.
O básico, não tenho o hábito de me maquiar muito, exceto em ocasiões especiais.

S/M: Qual a conexão que a mulher Dolores
considera a mais perfeita entre o paladar e o olfato?
Dolores: Água na boca.


S/M: Finalize essa frase.
Embora desde criança ficasse horas fazendo ...trabalhos domésticos ...
devo confessar que...queria era estudar..

S/M: Será que um dia teremos um representante do povo no Senado
e não do dinheiro, como tem sido até agora?
Dolores: Quem sabe! É o mínimo que nós brasileiros honestos, esperamos.
Os desonestos não querem!


S/M: O que seu simpatizante falaria a seu respeito?
Dolores: Acho que diria que sou sincera.

Um pedido clássico do Cara a Cara...
Faça sua leitura nessa imagem!

Dolores:
O ambiente sombrio, a flor caída na
direção do copo d’água,
tão perto da água e morrendo de sede,
o contraste do vermelho da flor e das ultimas
folhas verdes com a paisagem, como no Brasil.
A água existe, mas está mal distribuída,
a mão que poderia pegar o copo d’água e regar
o vaso não o faz, assim como acontece no nosso nordeste.

Música de fundo
Schubert - "Ave Maria" (Ellen's Third Song) by Bevani flute

 Deixe as suas considerações finais...
Dolores:
É muito bom participar de sua entrevista Sam Moreno,
na verdade nem mereço estar aqui,
Cara a Cara com você, ilustre e querido poeta,
estou engatinho nessa maravilhosa arte de escrever,
quero aprender muito aqui nesta CPP
que me acolheu com tanto carinho.
Obrigada!

Caríssima poetisa Dolores.
Agradeço a você por essa entrevista dinâmica e por, tão sabiamente,
ter respondido a todas as minhas perguntas! 
Abraços hollywoodianos
Até a próxima entrevista!

SAM MORENO

 

Saiba mais…
Adm

>ELAINE MÁRCIA – CARA A CARA COM SAM<

SAM MORENO
ELAINE MÁRCIA

Realmente agradeço muito pela disponibilidade.
Principalmente pela deferência, pela educação presteza e agilidade
em atender e responder minhas perguntas.
Poetisa Elaine! Muito obrigado!

Agradecida estou eu, Sam! Agradecida e honrada!
Agradeço pelos predicados! Não sei realmente se fui tão ágil assim em responder-lhe... rsrsrsr... tempinho meio corrido esse meu! Acho que você está sendo muito gentil! :)

Não apreendo o rico vocabulário tupi-guarani
E ku abo - Seja bem vinda! Em yorubá Elaine
Respondendo em tupi-guarani Sam Moreno
Angá landê angatu – Que bom! Você alma boa.

Formação: Licenciatura em Pedagogia 
Especialização: Orientação, Supervisão e Gestão Escolar
Servidora pública Federal do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
do Estado de Rondônia - IFRO, lotada no Campus Porto Velho Calama,
onde atualmente estou como Coordenadora de Registros Acadêmicos.
Atuei por dois anos como professora do curso Técnico de Infraestrutura Escolar, modalidade EaD, através do Programa Profuncionário, coordenado pelo Campus Porto Velho Zona Norte. Estas aulas estão disponíveis no youtube. Este link é de uma das aulas de Equipamentos e Materiais Didáticos: https://www.youtube.com/watch?v=LZrau_QjCDw

“Fale um pouco sobre os seus amigos indígenas”

Aqui em Rondônia existem vários povos indígenas, dentre eles: Suruí, Arara, Gavião, Uru-Eu-Wau-Wau, Karitiana, Cinta Larga, Zoró, Karipuna, etc. Cada etnia possui seu linguajar próprio. Temos alguns indígenas que vivem na cidade de Porto Velho e sobrevivem com venda de artesanatos. Já os povos que vivem nas aldeias sobrevivem da caça e pesca e de extração da castanha. A SEDUC - Secretaria Estadual de Educação de Rondônia, desenvolve a alguns anos o projeto Açaí, que é um Projeto de formação do Magistério Indígena, onde os indígenas são formados para ministrarem aula em suas aldeias, respeitando as suas tradições. Isto é muito legal, né!

1- A premissa basal da sua poesia é estabelecer parceria entre sua imaginação garantindo um atendimento personalizado na construção?

Não diria que 100%... na verdade, esta parceria só é mesmo metódica quando trabalho na composição de tautogramas, de poemas encomendados e de algumas crônicas e contos. Normalmente, apenas deixo fluir... o que saiu, saiu!
Dificilmente volto para retocar um poema... por isso digo que a poesia é meu divã!

2- Muita gente associa trabalho escravo a negros, mas existem muitos brancos escravizados aqui. Elaine o que dizer para essas pessoas que confundem trabalho escravo com negros.

Olha, se fosse possível fazer um exame de DND da população brasileira, creio que o resultado diria que só tem preto no Brasil! Pode variar um pouco o tom da pele, o fuzuê do cabelo, a chapoca do nariz, a tonalidade da gengiva, podem ter vários detalhes divergentes ou convergentes, mas, nossa origem é de “nego”! Não tem como fugir disso!
Quanto a esta confusão do trabalho escravo com negros, em nossa atualidade, independente da cor, da raça, do credo, tenho a dizer às pessoas que sofrem de todo e qualquer tipo de discriminação que cada indivíduo precisa se apropriar do valor que tem. A escravidão nos dias atuais, independente da forma como ela – a escravidão se apresentar, só seguirá adiante se a pessoa que se sentir “escravizada”, “violada”, “desrespeitada” permitir que isto aconteça ou continue a acontecer. 
Aprenda a dizer NÃO! 
Não tem ideia de como isto é poderoso! 
A princípio pode parecer difícil ou até mesmo impossível, mas, acredito que o primeiro passo é “se enxergar” como pessoa que merece ser respeitada. Funciona. Eu sei... E como sei! Sofri na pele e depois que aprendi o PODER de me apropriar do que é meu, nossa! Eu me libertei! Se deu certo comigo, acredito que pode dar certo com qualquer pessoa.

3-Qual é o seu conceito de convergências e divergências?
Convergência e Divergência
O que isto pode ser?
Convergência é o igual
Divergência é o não parecer

Não diz o velho ditado
Que os opostos se atraem?
Convergência e divergência
Pode ser eu e você?

Fico aqui imaginando
Duas metades da esfera
Se juntar os dois pedaços,
Convergem, formam uma esfera!

Se viramos cada parte
Divergindo do comum
Não teremos mais esfera,
Mas aqueles dois pedaços
Não se transformaram em um?

Pergunte a Oscar Niemeyer
Que criou o Congresso Nacional
Se inspirou na esfera divergente
E fez "a obra" convergente
Em Brasília - Capital!

Convergente e divergente
Isto, aquilo ou algo mais
Muitos significados há
Convergindo ou divertindo
Ainda queres me encontrar?

Convergente e divergente
Uma vã contradição
Podem separar dois corpos
Ou unir dois corações.

4- Porque muitos vivem como se nunca fossem morrer e morrem como se nunca tivessem existido?


Num sei, ó... Será que é porque somos insensatos ou será que é excesso de sensatez? Dizem que os loucos são mais felizes por não medirem consequências... Quer dizer que as pessoas normais são mais infelizes? Mas, afinal, o que é ser louco? O que é ser normal? A normalidade é tão relativa... Não sei... “viver como se nunca fosse morrer...” isto parece ser tão... legal? Soa como se a pessoa que vive como se nunca fosse morrer fosse mais feliz, não é?
E de que mesmo vale ser lembrado depois que morreu?
Ah, Sam... Acho que não sei responder a esta pergunta, “naum”!
Eu fui meio que “programada” para pensar muito antes de agir, então não sei “como” viver como se nunca fosse morrer... creio que quem vive assim, sabe ser mais feliz!
Não sei ser inconsequente, mas tento ser feliz e se vou ou não ser lembrada depois que morrer... isso não me importa nada! Quero ser lembrada enquanto estou viva!

5- O Necromaquiador é o profissional que prepara os corpos e maquia os rostos dos mortos para o velório. Como você vê essa profissão...quais as perguntas que faria para esse profissional?
Eu queria perguntar, não ao necromaquiador, mas ao Sam Moreno: Rapaz de onde você tira estas perguntas?
Velório? Necromaquiador? “Armaria”!
Que me desculpem os profissionais da área, mas esse negócio de maquiar defunto, não parece coisa de quem não tem com que gastar dinheiro?
Eu sou cabocla matuta do interior, quando morava no sítio, no interior de Rondônia, já dei até banho em uma senhora de 102 anos que morreu dormindo e a nora não estava em condições de fazê-lo... sou “daquele” tempo em que o defunto, na maioria das vezes, tinha algodão no nariz... As senhorinhas que conheci em vida, se sentiriam desrespeitadas se soubessem que seriam maquiadas depois de mortas. Maaaassss... gosto é gosto, né!
Quanto à pergunta: Sr.(a) Necromaquiador(a), maquiar defunto é melhor do que maquiar gente viva? Por quê?

6- As pessoas a veem como introvertida, esperta, bonita ou divertida?

Rsrsrs... introvertida com certeza não!
Esperta... vixe! Tem um monte de gente que já me “passou a perna”! Minhas irmãs vivem dizendo que sou boba! Kkkkk... Tem umas coisas que eu demoro um “tiquim” para entender... acho que sou um pouco lenta também! Kkkkk... Vão já me encaminhar para o NAPNE (Núcleo de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais)! kkkkkkkkk
Bonita? Quem me dera...
Divertida? Não exatamente...
O que as pessoas costumam dizer a meu respeito é que sou atenciosa, carinhosa, humana... espero fazer jus! Rsrsrsrs...

7- Você acha que o desejo feminino não difere tanto assim do masculino?

Com certeza! Mulher sente desejo, tesão, “vontade” da mesma maneira que homem. A diferença é que as mulheres foram “condicionadas” a reprimirem seus desejos. Fomos criadas na base do “não pode”... não pode decotão, não pode mine saia, não pode mesa de bar, não pode... não pode... não pode...
Mesmo nos dias atuais, com as revoluções que vemos hoje em relação à sexualidade, ainda existe muita repressão – social e pessoal... “de fora pra dentro e de dentro pra fora.”

8- Qual é o seu insulto favorito?

E tem esse negócio de insulto favorito?
Como assim???
Você está falando de insulto, insulto mesmo ou “daquelas” palavrinhas “proibidas” que se profere em momentos assim... proibidos? Rsrsrsrs... Se for isto que minha mente poluída está pensando... não posso revelar aqui! É proibido para menores! kkkkkkkkk

9- Você acha que sexo casual vale à pena?

E como dizia o célebre Fernando Pessoa, “Tudo vale à pena quando a alma não é pequena”.
Sexo casual? Por que não?
Tem um velho ditado que diz que “quando um não quer, dois não brigam”... e eu digo que quando os dois querem, o céu é o limite! Uhuuuuu!!!!!!

10- Quem é o Todo-Poderoso para você? O que ele tem de especial?

Se for levar “ao pé da letra” meu Todo-Poderoso é Deus, creio Nele e Sua especialidade é o amor incondicional.
Se for considerar as metáforas da vida e você estiver se referindo a um homem em especial, eu diria que “ele”, meu “todo-poderoso” é alguém que mexe com minhas estruturas, com minhas fantasias, com minhas emoções... e ele é especialista em desenhar um monte de pontos de interrogações em cima de minha cabeça... Aff! Isto é bom ou ruim?

11- O que poderia ser feito para implementar a educação no Brasil?

Olha, parar de ficar simplesmente copiando (e mal copiado) o modelo de educação dos países do primeiro mundo já seria um grande passo! O que eu acho difícil, pois, com esta nova reforma do ensino médio, por exemplo, o que divulgam como avanço é na verdade um grande retrocesso na educação.
E por falar em países do primeiro mundo, eles estão neste patamar exatamente porque investem pesado na educação, fato que infelizmente não passa nem perto do planejamento de nossos governantes.

12- Gosta de ler, pintar, cozinhar, assistir filmes, viajar, jogar bingo, pesquisar algo do seu interesse?

Gosto de tudo isso, acredita?! Rsrsrs...
Não que eu “saiba” fazer exatamente tudo isso! Rsrsrs... gostar é diferente saber!
Ler é uma paixão!
Já me atrevi a pintar telas... A muuuuiiiitooos anos atrás... Hoje em dia pinto mesmo é a “cara” da molecada! Adooorrrooooo!!!! Pintar cara é muito mais divertido que pintar tela!
Na cozinha, bom, posso dizer que em se tratando de comidinha caseira, sou até prendada! Gosto de fazer caldos e minha farofa é bastante elogiada! Preparo uns sanduiches naturais que a sobrinhada adora!
Adoro assistir filmes! No cinema, em casa... não importa! Cada momento é mágico!
Viajar é tudo de bom! Ah! Se pudesse, viveria na “ponte aérea” kkkkk...
Gosto de bingo, mas, faz tempo que não jogo... no interior era mais frequente!
E as pesquisas, fazem parte do meu dia-a-dia... Ultimamente tenho pesquisado bastante sobre Coache!

13- O consumo pornográfico pode servir de gatilho para práticas inadequadas?
Não sei... O que você caracteriza exatamente como práticas inadequadas? Está se referindo ao sexo, à agressão física, abuso?
Se estas “práticas inadequadas” têm a ver com o desrespeito ao próximo, penso que o “gatilho” não está do lado de fora, mas, do lado de dentro desta cabeça doente e, sendo assim, pode ser qualquer coisa, independente de ser pornografia ou não.
Por exemplo, tem homens desajustados que pensam que o simples fato de uma mulher usar uma roupa mais sensual, lhes dá o direito de desrespeitá-la, de violar sua integridade. Chegam ao cúmulo do absurdo de dizerem “ela pediu por isso”!
Esta mente doente encontrará “gatilho” em qualquer situação, independente de ser ou não pornografia.

14- O importante não é a metodologia e sim viver?

Pedagogicamente falando eu AMO metodologia!
Mas, quando o assunto é viver, penso que não existe “o método perfeito”... cada um vive como acha que deve viver. O que é certo para mim, pode ser errado para você... o que serve para mim, pode não servir para você... Então, sim, o importante é viver!

15- Não tenho princípios, sou promíscuo, extorquista, abuso da falsidade, não tenho sentimentos éticos e altruístas, não sinto culpa e vergonha. Qual é o perfil dessa pessoa?

Olha, tu descrevestes um psicopata? Acho que sim. Marsoalex, Marta Biscoli... Socorroooo!!!!! Rsrsrsrs...

16- Já saiu do comum indo para o imprevisível?

Já.
E olha que sou daquele tipo de pessoa que pondera bastante... maaaassss... Quem nunca?

17- Como agir quando um filho é diagnosticado como usuário de drogas?

Sam, Sam... Você não faz ideia de como queria, do fundo do coração, ter resposta para este questionamento... Infelizmente não tenho.
Será que alguém tem?
Penso que não.
Mas, se por ventura, houver uma resposta... uma receita... um método testado e comprovado, ou apenas um método... por favor, por favor, por favorzinho... TORNA ISTO PÚBLICO!
Você colocou o dedo na minha ferida...
Definitivamente não me sinto preparada para debater sobre este tema.

18- Falando em pedagogia.
Quais são os cursos que você considera fundamental para incrementar um currículo?

Aqueles que o pedagogo se identifica e que, de alguma forma, poderá contribuir para o exercício de sua profissão. O que acho mais importante é investirmos nosso tempo naquilo que realmente gostamos. A Pedagogia é um leque aberto, existem várias probabilidades de atuações.
Mas, respondendo direito a sua pergunta, O Curso de Resolução de Conflitos é muito interessante. Conhecer o método certo para mediar um conflito pode auxiliar bastante o pedagogo em suas várias áreas de especializações, quer seja em sala de aula – com os alunos, quer seja em sua atuação como orientador, supervisor ou gestor de uma escola ou até mesmo na área administrativa ou hospitalar. Aliás, serve para a vida!
Porém, nem todo pedagogo tem perfil de mediador... retorno ao início desta resposta. :)

19- Um dentista pode ser o pivô de um drama passional?

Kkkkkkkkk!!!!!
Pode ser o pivô, o canal, o normal e o anormal... do drama passional... do impessoal... do animal... eu falei animal? Huuuummm.... Tem animal que morde e tem mordida que é o canal! Rsrsrs...

20- Ao escrever, o autor deve fazer um ajuste com o leitor, para que ele contribua em transformar o mundo, a sua realidade?

A meu ver, depende de vários fatores, como por exemplo, o tema, o público alvo, o objetivo a ser alcançado... Penso que quando o assunto é poesia, o autor tem mais liberdade de expressão, pode “voar” e “viajar” nas asas da imaginação sem se preocupar com todos estes fatores.
Entendo que este “ajuste” ao qual você se refere se aplica mais a textos científicos.

21- Qual é a memória mais feliz da sua infância?

Aquela que faz os meus lábios sorrirem?
Eu, pequenina, esperando atenta meu pai terminar de jantar para pular no colo dele! (sou a quinta de sete, tinha que ser muito esperta!)
Adorava ficar quietinha no colo do papai, com a cabeça encostada em seu peito e gostava de ouvir a voz dele pelo peito enquanto ele conversava coma a mamãe... quando ele pensava que eu havia dormido, me levava para cama, orava por mim, beijava minha testa e saía. Quando ele sentava na cadeira, lá estava eu correndo para a segunda rodada de colo até dormir “de verdade”... Esta é uma das várias lembranças felizes que guardo de minha infância.

22- Quantos voos você faz por mês em seus devaneios?

Quantas estrelas têm no céu?
Quantas gotas de água têm no mar?
Qual é o tamanho da minha esperança?
Transforme a quilometragem em um número par...
Some tudo e depois multiplique bem
Pelo número de sonhos que tenho pra sonhar
Em resposta terás os meus devaneios diários
Multiplique por trinta e a resposta terá.

23- A engenharia Genética chegará a clonar seres humanos?
Às vezes penso aqui com meus botões que isto já esteja acontecendo... Daqui a pouco nos esbarraremos com seres mutantes e pensaremos “Ai, meu Deus! Quando foi que isto começou e eu nem percebi?”

24- Você acha gritante a diferença cultural, da mulher ocidental para a mulher oriental?

Falando sério mesmo, nunca parei para pensar neste detalhe.
Acredito que cada região, independente de ser dentro ou fora do nosso país, possui suas particularidades, seus costumes, suas tradições.
É fato que as mulheres estão mais “bravias”, ousadas e “donas de si”, mas o grau de intensidade vai, com certeza, variar de região para região.

25- Você concorda existem polêmicas quanto ao número de índios que habitam o território brasileiro?

Não sei bem se existem polêmicas, sei que ainda existem etnias que ainda preservam seus hábitos e costumes... muito poucas.
Sei que muitos pajés, de várias etnias, estão morrendo sem terem a oportunidade de passar suas tradições de pajelança à diante... As tradições estão morrendo com eles!
Sei que tem indígena nas cidades passando por necessidades...
Sei que por mais que a mídia divulgue que a Nação Indígena é protegida, a realidade não é bem assim...
Sei, que diferente do que muitos dizem ou pensam, índio não “fede”, não é bicho, não é um qualquer!
Sei que índio é gente, gente valente que merece ser respeitada como toda gente!
Sei que a “dita” inclusão, nem sempre inclui.
Sei que nem sempre eles falam a nossa língua. Mas, nós falamos a língua deles?
Sei que cada etnia tem o seu linguajar próprio e tem povos que falam mais de um desses linguajares. E nós, quantos linguajares indígenas falamos ou conhecemos?
Sei que o Povo Indígena é detentor de uma sabedoria milenar e merecedora de respeito.
É disso que sei meu amigo Sam.
E como sei?
Tem índio aqui... e eles são bonitos demais!

26- Você é a favor da pesquisa com células tronco embrionárias? Beneficiará a sociedade de modo geral ou beneficiará apenas aquelas pessoas de poder aquisitivo maior?

Sou a favor sim!
A princípio sempre beneficia primeiramente quem tem maior poder aquisitivo, contudo, com o tempo as demais camadas sociais também serão beneficiadas.
Não vê o celular? Agora até cachorrinho de estimação de pobre tem! Kkkkk

27- Como saber, quanto vale a pena se entregar totalmente ou dominar os impulsos?

(Suspiros profundos...)
... (Tô pensando...) ...
Pergunta difícil de responder para uma pessoa que pensa e pondera muito antes de agir...
Vamos lá!
A primeira coisa a fazer é se perguntar: Estou disposta a arcar com as consequências dos meus atos, sejam eles quais forem? Se a resposta for sim, fecha os olhos e pula de cabeça!
... (Tô pensando...) ...
Por outro lado, se eu paro para fazer esta pergunta, deixa de ser impulso, né?!
... (Tô pensando...) ...
Ai meu Deus! Eu não sei responder!
Sinceramente? Não consigo fazer isto!
Posso pular? Pedir ajuda aos universitários? Qualquer coisa????????
Plissssss!!!!!!

28- Com aquele friozinho, acompanhada de um edredom quentinho e chuva caindo lá fora. Você aprecia o café cappuccino, expresso com leite, solúvel, filtrado, descafeinado? Ou você acha que no cuador é mais forte?
Huuuummm... Num cenário desses, um cafezinho vai bem mesmo! Eu gosto de café forte! Dispenso o solúvel e o descafeinado... dizem que o tradicional é que é mais gostoso, desses passado no cuador... se é mais forte eu não sei bem... o que me diz, Sam Moreno, no cuador é mais forte mesmo? Rsrsrsrs...
Não faço a menor ideia só tomo capuccino ou chá.
Mas, uma barista e degustadora me afirmou que no cuador é mais forte mesmo!!! Rsrsrsrs...

29- Finalize essa frase. A salva de palmas dos bajuladores foi rapidamente interrompida...
Quando todos deixaram claro que percebiam suas falsas atitudes.

30- É comum sentir vontade o tempo todo? E não sentir quase nunca?

Penso que o tempo todo sentimos vontades... Vontade de ficar mais um pouquinho na cama...
Vontade de comer, de beber, de lamber...
Às vezes de beber até água que passarinho não bebe!
Vontade de cantar, de correr, de chorar...
Vontade de fazer amor, de transar, de copular...
Vontade de cair num abraço,
De se atar junto com outro num laço...
Vontade de namorar!
Vontade até de se afastar...
Mesmo achando que não dá!
Vontade disso...
Vontade “daquilo”...
Vontade de ir...
Vontade de vir...
Vontade de ficar!
Até quando quase nunca sentimos vontade
A vontade está lá!
Vontade de nunca sentir vontade...
Vontade de não amar...
Ou simplesmente
Vontade de amar...
E de ser amado... vontade não dá?
É claro que dá!

Um pedido clássico do Cara a Cara...
Faça sua leitura nessa imagem!

A transformação está em suas mãos.

HISTÓRIA RESUMIDA DA ELAINE

Esta é minha irmã caçula.
Eu sou Elaine Márcia e ela Márcia Elaine... 
Só que tudo junto! ... 
Por um erro do escrivão ficou Marcelane.
Me casei cedo e não podia ter filhos.
Por obra do destino, a Márcia gerou minha filha. 
Não foi nada planejado, muitas coisas aconteceram
e quando a Márcia engravidou da Layane, já tinha dois filhos,
Então, ela me deu a Layane!
A Lay cresceu sabendo que tinha
Duas mães e dois irmãos.
Esta história interligada entre nós três
Não é mera coincidência! 
É plano de Deus!

Música de fundo
Gonzaguinha - O que é, O que é?

Suas considerações finais

Foi incrível!
Todo este processo que começou com seu convite despertou em mim várias emoções...
Teve um momento que eu senti vontade de literalmente dar uns tapas em você!
Kkkkk Aquele negócio de mandar e-mail numerado me estressou um pouquinho...
Só um pouquinho! Rsrsrs....
Falando sério, me diverti “pra caramba”!
Rever aquelas fotos do tempo do “Êpa de tarde”...
Foi maravilhoso! Ri muito com minha filha!
Saímos para passear para tirar fotos, passeamos de barco...
Foi muito legal! Até combinamos fazer esses passeios com mais frequência!
E as perguntas, ri sozinha aqui com algumas delas!
Você é incrível Sam!
Já falei que te admiro e respeito, mas, repito!
Muito, muito grata por todos estes momentos que me proporcionou.
E desculpe pela demora em responder alguns dos “e-mails numerados”.
E pode ficar tranquilo, vou bater em vc naum! KKKKKK...
Senão você não me dá mais sossego e vai querer apanhar todo dia! Kkkkk
Bjim!

Você respondeu com tamanha fidelidade as minhas perguntas
que tenho a certeza que não ficará no transitório a sua entrevista,mas, no inesquecível!
Mais uma vez, meus agradecimentos por essa respeitável oportunidade de tê-la no
CARA A CARA COM SAM.

Abraços hollywoodianos
Até a próxima entrevista!

SAM MORENO

Saiba mais…
CPP