Posts de Sirlanio jorge Dias gomes (25)

Decrepitude

O meu espírito bravio martírio
Faina que advoga o ócio,
Apogeu da velhice a vozear,
Cintilar do meu turvo olhar.
O vigor alquebrado fere,
Esperançoso manto verdejante,
Perecendo o delgado alvor da vida,
Face descorada que cultuo.
Intrépido amor impoluto,
Agonia velada em cada ruga,
Acerbo tempo lúgubre tedioso,
Adversa dor do meu lamento,
Adjutória esperança guardo.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

Convergente

Vívidos laços de amor atesto,
Alma e corpo vertente,
Eternidade de querer confesso,
De te amar loucamente.

De nós o ocaso reluzente,
Cujo querer em si modesto,
De todo se fez inocente,
Desta pureza fiel gesto.

Repousei na esperança,
Pleno sentir em desejo perene,
Manto imortal da lembrança.

No casto amor sobrevivi,
E no tempo estampei,
A alegria de tê-la amado plenamente.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

Colóquio

Lá fora há um dia insolente,
Coisas demais sob o céu,
Incongruência de mim,
Metáforas disformes do medo,
Expressões indecifráveis,
Furtiva banalidade da dor.
Ludíbrio da vida?
Queria abraçar as estrelas,
Sentir o infinito que surpreende,
E gritar bem alto,
E acordar o meu universo.
Me vejo na multidão,
Me fundindo ao caos invisível,
Ao poder mortal,
Em meio a olhares dispersos,
Num breve silêncio do outro lado.
São tantas paradas imprevistas;
Bifurcações do destino,
Que mais cedo ou tarde,
Nos revelará o segredo.
Sigo em frente,
Entre bons e maus momentos,
Lendo as memórias impressas,
Discrepâncias de um longo tempo,
Entre pedras,espinho e flores,
Matéria prima de várias pontes,
Do meu mundo indizível.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

Confluência

Não morra antes de amar,
O sol das minhas manhãs,
Partículas de felicidade,
Abraça-me forte,
Aconteceu,
Como esquecer?
O calor do coração,
sob o vento do amor,
Desejos,eternidade,
Seria utopia?
Acaso,
O infinito dos sonhos,
No seio do seu amor,
São coisas que levarei comigo,
Emoções,desapego,
Nosso tempo,
Construindo passos,
Para além da distância,
Nos subúrbios do tempo,
Aprendendo com as estrelas.
Teu corpo pedindo os meus beijos,
Sou poema,
Eu amo te amar,
Teu amor traduz,
A força dos meus sonhos,
Acorda e vem me amar,
Na madrugada,
Na noite fria,
Sussurros ao ouvido,
O som do amor,
Luz para os meus pés.
Anjo azul,
É preciso coragem,
Para sair do rascunho,
Obras do poeta,
Na toada dos silêncios,
Polissemia amorosa,
Tua poesia em mim,
Um mesmo sentir,
Encontro,fantasia,
Esperança,catarse,
Inspiração adormecida.
Quando o coração,
A folha em branco,
Me ensina a viver,
O olhar dela é quem diz,
As frases,provocam,
O poeta que não finge,
Que cavalga buscando a paz,
E se inspira na menina,
Que amava o mar e chorou,
Lindo Murmúrio de Deus.

Autor:Todos os poetas citados(Homenagem a todos os poetas da casa)

Nota:Embora tenha escrito esta poesia,a fiz inspirado em vários poetas desta casa,pelos títulos de suas obras.A saber: Eudália Alves Martins,ZK Feliz,Luly Diniz,Frederico de Castro,Norma Aparecida,Gláucia Amaral,Marsoalex,Elisa Sales,Maria Aparecida Mancebo,Francisco José Távora,Cristina Maria Afonso Ives Duar,Marcos Molica,Nina Costa,Geraldo Coelho Zacarias,Marta Buscoli,Gilmar Santos,Alexandre Montalvan,San Moreno,Everaldo Magalhães,Mena Azevedo Leite,José Carlos Ribeiro,Sidnei Piedade,Ricardo Nunes Sales,Thiago Rodrigues,Ciducha,Meire,Livita Silva,Edith Lobato,Prieto Aguilar,Rodrigo Luciano,Edvaldo Rofatto,Cláudio Antônio Mendes,

Saiba mais…

Letargia

Aonde vais animal indômito,
Nestes passos letais,
Vociferando insanidades,
Beijando a obscura morte,
Nos vendavais da alma?

Não sabeis vós que sois de carne?
E que a dor inflamada em si,
Subjuga o vossa espírito,
Da liberdade á consciência,
Até os confins do universo?

A ignorância que o anima,
É a ponte do teu desfortúnio,
Brasas queimando a boca,
E grilhões que o assaltam,
Do amor que profanas.

Aonde vais nesta louca humanidade,
Absorto em delírios mortais,
Fardos agonizantes em seus vícios,
Sufocando o juízo em seus ditames,
Abortando o ser em vendavais de ira?

Aonde vais.....
Por não compreender,
Sem perceber o ser,
Em suas dimensões transitórias,
Em sua finita história,
A Nossa imagem e inconstância?

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

Amor sublime

Amor!
A lua te coroa intensamente,
Floração ofegante do teu querer,
Tons luzidios desta procura,
Desvairadamente em meus braços.
Em adoração te velo,
Deleitoso vinho que me embriaga,
Desenhando teu corpo no meu,
Matizes azuis de nossos corpos,
Inefável tremor verga.
Rouba-me sem pecado,
Neste sensual leito da noite,
Onde sussurras cantos celestes,
E os meus ouvidos te louvam.
Somos estrelas íntimo desejo,
Minha boca te verseja,
Em cada trova de seus lábios poéticos.
Minhas mãos colhem tuas rosas,
Regando-as com seu olhar,
Benévolo aroma que me perfuma.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

Aos mestres poetas e poetisas

Quanta beleza em teus versos!

Sei que gostaria de comentar todos.Todos os poemas aqui deixados,são belíssimos,pois é o melhor de dois mundos.Real ou imaginário,o que importa?

As emoções,o brilho,o encanto a mágica daquele momento fala no silêncio de cada um.E não sai sem deixar marcas eternas aos olhos de quem lê.

Estamos numa montanha de pedras preciosas,cada qual com o seu brilho particular,nas manifestações de um todo.

Agradeço mais uma vez e peço desculpas quando não comentar.Isso não diminui meu apreço a obra do tema proposto.

Devido as emoções,nem sempre comento,mas guardo no coração a magnitude de tal pensar.E depois delas,também tenho novas inspirações.

"Quanto maior é a sede, maior é o prazer em satisfazê-la"

Dante Alighieri

Saiba mais…

HUMANI GENERIS

Um mundo de outros mundos,
silenciosos leitos em seus umbrais,
Quem sois de mãos atadas?
De onde vens?
O que há além do monte?
Hei de escavar os sepulcros,
E tentar encontrar os preconceituosos,
Intactos em suas mortalhas,
Em seus discursos com a morte,
Defendendo a sua cor,
A sua pátria e posição.
Num olhar infortúnio,
Todos os males da perdição,
Sentença covarde de hipócritas,
Em seus trajes maquiavélicos,
Copiosos em suas lástimas,
Sábios em suas máximas.
Rompe-se o cordão umbilical,
Correm as feras para os campos,
Em suas imagens multifárias,
Abrindo as portas em seus cativeiros,
Recolhendo as presas paradoxais.
É tudo tão triste!
Tão vazio!
Estes vendavais humanos,
Mãos estranhas afagando o ódio,
Como deuses em seu tempo,
Parindo demônios de suas bocas,
Num rito cruento,
Escarnecendo do amor.
Há nas esquinas,
De mãos estendidas,
Todas as gentes  de uma só casta,
Humani generis,
Sangrando,chorando,implorando,
Sonhando e prosseguindo,
Desejando em seus corações,
Que sejamos somente irmãos.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

TENACIDADE

Este resoluto porvir em máscaras,
Juras consentidas em meu destino,
Invulgar mesura aluada,
Doravante me perdi em teu amor esta noite,
Prostrado aos pés do fingimento.
A incerteza estampa meu revés,
Diabrura dos teus encantos,
Lástima enfermiça desfigurada,
Do amante que um dia amou,
E agora ermo em seus espinhos,
Condena-se ao báratro investido.
A lua rasgou-se ao meio,
Na ilusão do meu pesadelo,
Cruel desventura que me oprime,
Abafando a luz dos meus castiçais,
Plena oblação do meu zelo.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

DESAFOGO

Última projeção da fantasia,
A luz do palco se apaga,
Levantei os olhos,
Mirei timidamente as estrelas,
Há um outro lugar,
Entre as estações,
Álibi perfeito de mim,
Neste tempestuoso sentir.
Do lado de fora a viagem termina,
Aparência de duas distrações,
Fúria intacta da ilusão,
Neste inverno doloroso,
No frio beijo deste desalento,
Na penumbra de minha face.
Não há ninguém na rua,
Neste lugar sombrio,
Esquinas ignotas,
Entre sombras silenciosas,
Negro da noite,
Em súplicas estigmatizantes,
Do grito do amor imortal,
Nas plagas da perfídia.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

CONFABULAÇÕES

Há quem diga o incondizente,
Num trago amargo de si,
Tropeçando sem rumo,
Nas próprias pedras da vida.
Há quem fira a língua na lâmina,
Fio mortal de dois gumes do desatino,
Falar cretino de vozes embotadas.
Existem tolos que quebram diamantes,
Ofuscado em seu próprio brilho,
Estribilho de vícios caricatos,
Sangrando o coração em seus torvelinhos.
Há jovens velhos e velhos jovens,
Doidivanas em seus baluartes de vidro,
Fragmentando a pedra dos pensamentos,
Costurando sonhos em frágeis retalhos.
Há sábios e loucos em seus atalhos,
Marcando passo no tempo,
Seguindo o rastro das horas,
Em suas marcações diminutas.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

A PROSTITUTA

Quem sou eu?
Uma escrava de mim?
Um romance as avessas?
Alguma flor de pétalas lúridas
Despetalando no jardim dos boçais?
Sou o mea-culpa de suas introversões,
O desejo descarado de sua fraqueza,
A desculpa do seu infortúnio,
Nos infernos que procriamos,
Em leitos presunçosos.
Sou a inveja dos fascínios proibidos,
Pernicioso afeto do seu capitalismo,
No obscuro sentir de sua identidade.
A minha paixão é transmutável,
Metamorfose da vida em suas réplicas,
Furor em conveniências,
Tal qual o reflexo de sua humanidade,
No juízo insensato do seu veredito,
Depositário da sua herança maldita.
Sou teu medo e desejo,
Vazão de sua violência esfíngica,
Em seus ócios escandalosos,
Proletária da sua sorte,
Vestida de tempestades invisíveis,
Ataviando as horas inconvenientes,
Até o despertar de sua santidade.
Te devoro e não me percebes,
Na loucura de tuas confidências,
E na fragilidade de tua desgraça,
Seduzida por suas mentiras,
Que me concebe sem entender,
O que realmente sou além da luxúria.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…

SENSUALIDADE

O teu corpo canta em meu desejo,
Neste olhar que me inflama,
E me convida para uma dança,
Onde nossos corpos rítmicos,
Bailam suavemente encantados.
Os nossos sorrisos se abraçam,
E a cada passo nos tornamos um,
Na luxúria da nossa entrega,
Igual um violão em mãos hábeis,
No dedilhar das cordas em paixão.
Nos envolvemos em cada gesto,
Dominados pela música que nos embala,
Teus passos me sondam,
E eu te caço em suas variáveis,
Que me seduz e me faz tremer,
No silêncio dos teus lábios.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Saiba mais…
CPP