Poesias

CATARSE

CATARSE

Meu corpo inflama as línguas de fogo
Com que me lambe laborando, entre
Lufadas de beijos, lúdico jogo
No vaivém de seios, mãos e ventre.

O seu desejo chama salamandras
Do ar a lhe insuflar no corpo inteiro
Ardor fruído em vontades malandras
De que, amante, sou dono e meeiro.

O prazer a lhe varar, por entre as coxas,
Os sentidos e a crispação das pálpebras
Que se prendem no auge das forças,
Vai além do que mensuram as álgebras.

Mas, após ultrapassar o impreciso,
Voltam, refluxo de onda, a espraiar-se
Pelo rosto absorto em um sorriso
Os sonhos colhidos nesse catar-se.

(E. Rofatto)

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

E. Rofatto- formatação by livita

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Uauuuuuu....caliente Edvaldo!

    Amei, adorei, gostei e tudo mais terminado em "ei"

    Quem é a musa ? Linda inspiraçao.

    É a mulher de vermelho!!!

    Parabéns.

    Beijinhos

    Nota. Linda musica.

    • Uauuuuuuuuuuuuuu! 

      Caliente também a sua arte, pela qual agradeço imenso: lindíssima! 

      Bj, Livita!

    • Grato, Livita! O vermelho é sempre uma inspiração! A mulher é sempre o melhor tema: é a grandeza do homem, quando ele a serve.

      A música é mesmo bonita! Bj!

  • Um poema sublime a espraiar-se numa catarse

    plena de delirios e suspiros

    Aplausos poeta, tb pela linda musica que acompanha

    FC

    • Grato, Frederico! Fico feliz que tenha gostado e comentado! Um abraço!

This reply was deleted.
CPP