Inspirações

Adeus

Arbítrio refúgio em alva noite,
Minh'alma a deriva neste penoso mar,
Porto suplício da minha jornada,
Jugo vicioso dos meus desejos,
Inerte nas sombras longe do cais.
Venere  a luz o meu último riso,
Cousa dúbia neste peito de açoites,
Em seus delírios ósculos da morte,
Penumbra em vendavais ao réprobo,
Fugaz loucura em flores mórbidas.
Aos ventos meu último discurso,
Meu beijo,meu olhar e esta dor,
Fragmentada em rimas tristes,
Prefácio da minha despedida.
Refuta herança meu ser declina,
Neste chão frio eterno leito,
Borrões vívidos displicentes,
Ária mortis do servo desmedido.

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Sirlanio Jorge Dias Gomes

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Sensibilidade, lucidez, desafetação. Propriedades indispensáveis à verdadeira poesia. Cumprimentos!

  • Sensibilidade, lucidez, desafetação. Propriedades indispensáveis à verdadeira poesia. Cumprimentos!

  • Um belo e maravilhosos poema que nos encanta, belo. Uma verdadeira maravilha

  • Profundo ais... alma que grita... dor que dilacera... momento de conflito...

    Muito bom, gostei... Parabéns!

  • Gestores Adm

    Maravilhoso poema! Exuberante momento de criação.

    Destacado!

This reply was deleted.
CPP