Poesias

Apenas morreriam...

Apenas morreriam...

 

Toda quimera vem à mente agora,

E invado-me nos versos, narro o adeus

Percebido ao fitar àquela hora,

Profundamente os belos olhos teus.

 

Sem ao menos olhar nos olhos meus,

Partiste e fiquei só com a saudade

Meus dias tornaram -se triste breu

Levara toda minha pouca idade.

 

Hoje, em versos, eu traço meu viver

Não maldigo o destino, nem sofrer

Deu tempo ao coração tudo entender

O que um dia foi nobre e belo ao ser.

 

Ensinou-me a seguir  sem ti e sentir

Que me deste motivo pra escrever

Sem ter medo e segredos a omitir

Lembrar-te não é esquecer de viver

 

Se não existisse adeus entre nós dois

A  distância   fantasia e esperança

Não viria acompanhada de depois

Apenas morreriam na lembrança.

 

Márcia A Mancebo-01/12/2017

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Tudo que a vida nos oferta como experiência é válido. São essas ofertas ( boas ou ruins) que nos ajudam a crescer. Mais um belo poema, Márcia!

  • "Lembrar-te não é esquecer de viver"... uma deliciosa reflexão!!! As lembranças fazem parte da construção do que somos hoje!!! Por elas escolhemos o caminho a seguir!! Parabéns querida, sempre me encanto com teus versos!!

  • A fila anda! Se seu amor foi embora – e não te deu o merecido valor quem perdeu foi ele! O que importa é que você pouco a pouco foi esvaziando o coração, liberando espaço para outros entrarem. Não amamos apenas uma pessoa durante a vida. A regra imposta aos nossos avós e pais perdeu a validade. Aí como eu tô bandido rs rs rs – Um bom domingo.

  • As lembranças são vivas enquanto vida. Excelente poema Poetisa Márcia Mancebo. Um abraço.

  • Maestria mil em versos bem construídos. Abraços.

  • Lindas sentimentais palavras que vem de uma alma apaixonada, onde os sentido se amam loucamente

This reply was deleted.
CPP