Poesias

Conversando comigo mesma

 
 
 
Conversando comigo mesma.

Hoje estive pensando que deveria fazer um balanço da minha vida...
Desde sempre, na minha infância, mocidade... fui bela e mimada, nascida
e criada em berço de ouro.
Requisitada por muitos, pude escolher meu príncipe encantado... que me
levou ao altar ao som de Bach.
A festa foi de arromba! Buffet da capital com toldos e mesinhas, cada qual
com um castiçal, enfim, um luxo ao qual poucos tinham direito.
 
Deste sonho lindo, nasceram minhas cinco crias... saudáveis e lindas
crianças!   Vivi intensamente meus trinta e cinco anos de casamento.
Fui feliz? Por alguns momentos, muito! Por outros tantos, nem tanto!
Na medida certa de uma vida cheia de realizações e inevitáveis perdas.
E a perda do meu companheiro tomou-me de surpresa. Não estava
preparada para assumir o papel de pai e mãe. Pela primeira vez na vida,
não tinha ninguém acima de mim (meus pais já tinham partido).
 
Mas segui em frente, tomando conta dos negócios do meu marido
juntamente com meu filho mais velho.
Mas Deus quis, que por mais uma vez, eu sofresse a dor da perda e levou
meu filhote!
Ai... que dor atroz! E plagiando a Sil Saboia: "a vida nunca mais foi a
mesma, perdi o prumo... a alegria de viver".
Mas fui recompensada ao re-encontrar o meu primeiro amor depois de
quase cinquenta anos.
Amor tido como "amor bandido", complicado é verdade, mas foi o que me
restou.
Além do mais, me sinto merecedora (Que egoísta eu sou!) dessa dádiva.
Já cumpri todas as tarefas que a vida me impôs, como filha, esposa e mãe...
E repito: Quanto tempo ainda me resta de qualidade de vida?
Pela lei natural da vida... pouco!
Mas a vantagem de ser "velha" é que podemos tudo, nada pega mal, pois a
idade da respeitabilidade nos permite brincar, fazer um gracejo sem ser
mal interpretada.
 
Tenho uma amiga querida, a Tere Penhabe, que costuma dizer que eu não
tenho idade.  Será?...
Talvez... mas pode ser que a idade me tenha... Afinal, só eu sei o peso
que carrego ao olhar para trás, para a longa estrada que foi a minha vida...

Ciducha Seefelder

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Oi Ciducha! Se não me engano, eu acompanho o seus trabalhos desde o Recanto das letras. Admiro muito! Você não é egoísta não viu! Creia que é merecedora sim das bênçãos de Deus. Lindo relato amiga Ciducha! Parabéns! A paz.
    • Obrigada pelo carinho poeta e amigo de longa data Eduardo Samuel.

      Beijos

  • É um prêmio divino a dádiva da vida. A nós compete apenas viver. Belo relato de vida Ciducha! Bjs

    • Obrigada Marsoalex pelo carinho

      Bjss

    • Ficou barbaro,querida

      Muito obrigada

      Bjssssssss

  • Ciducha, você além de ter direito a tudo,deve aproveitar a vida.É uma mulher linda e inteligente.Vá em frente.
    Não tenha medo em aceitar o que o viver oferece.
    Parabéns pelo texto lindo.
    Bjos
    • Obrigada pelas palavras querida Marcia

      Beijos muitossssss

  • A perda sempre deixa sequelas, mais não devemos nunca esmorecer. Um dia de cada vez. Maravilhosa poesia Poetisa Ciducha. Abraços.

    • Obrigada pelo carinho poeta Ricardo

      Beijos

This reply was deleted.
CPP