Inspirações

INQUIETAÇÃO

Vejam as rosas,
Não deixam de ser flor,
Se diferentes forem,
As cores de suas pétalas,
Que por assim serem,
Não deixam de ser belas,
Continuam sendo rosas.
Triste humanidade,
Diferentes entre si,
São iguais tão desiguais,
Selvagens em suas razões,
Pluralidades controversas,
De emoções empedernidas,
Vomitando paz e amor,
Em seus vícios silenciosos.
Diga-me quem sois besta-fera;
Nesta árida sabedoria,
Escondendo-se nos escombros,
Lapsos d'alma em decadência. 

Sirlânio Jorge Dias Gomes

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Sirlanio Jorge Dias Gomes

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores Adm

    Excelente poema!

    Destacado!

  • Qualquer preconceito é abominável! Mas, infelizmente, o ser humano não aprendeu que diferença de cor, de sexo, condição social, etc, não é defeito.
    Belo Texto!! Parabéns!

  • A analogia com as flores é perfeita! Cor ou etnia, a raça humana é uma só: "Homo sapiens". Quem o diz é a Ciência. O racismo é uma das coisas mais irracionais que existem. E uma chaga da humanidade. Abraços.

This reply was deleted.
CPP