Poesias

Na toada dos silêncios

Descobrem-se as nuvens ensopadas numa alegria
Petulante vestindo as ramagens de uma gargalhada galante
Brincando bem sincopada e apelante

Vem para mim serenamente a noite despindo a
Luz envergonhada, tímida, qual seiva da vida alagando-me
Com beijos delicados devoradores… assim literalmente

Paira no tempo uma solidão quase demolidora subindo
Pela haste do silêncio de forma tão predadora, incutindo
Nas vestes da ilusão um eco grávido, desiludido…blasfemador

Ficou incurável esta saudade inusitada deixando de permeio uma
Memória oculta entre as sintaxes dos meus versos triviais, ofertando-te
Depois uma rima ocasional, escondida entre os sonhos mais virtuais

Veio à tona uma ondulante ilusão, encharcada de toadas e cânticos
Alegres lancetando a madrugada que em mim enfurecida se acoita
Qual inquilina desta solidão consensual…bem elastecida e afoita

Frederico de Castro

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Uma saudade que chora dentro do coração, poema mais que emoção, lindo

  • "Qual inquilina desta solidão consensual…bem elastecida e afoita"

    Amei cada verso poeta Frederico!

    Bjs

    • Sempre grato fico com sua gentileza Ciducha

      Votos de dia feliz

      FC

  • Poeta Frederico só me resta aplaudir abraço...

    • Obrigado pela visita Eudália

      Bem hajas

      FC

  • Aqui é aplaudir e destacar sempre porque falar da magnitude do poeta e do poema me faltam palavras. Maravilhosoooooooooooooo!!!

    • Grato fico com suas carinhosas e gentis palavras Marso

      Abraço poético e votos de um dia feliz

      FC

  • Adm

  • Depois de ler uma obra tão impecavelmente construída,

    com palavras figuradas, versos perfeitos, que hei de dizer-te, poeta

    Frederico? Da tua verve partem essas ideias e inspirações que encantam

    a alma! Lindo demais! Bjs.

This reply was deleted.
CPP