Poesias

Noites delinquentes

Vesti cada palavra com ritmos excepcionais
Colori todos os vocábulos com um lirismo purificado
Na mais plena rima toda excêntrica…toda ficcional

Embandeirei em arco este verso embebedado até à
Última gota semântica que dessedenta uma estrofe soluçando
Completamente afoita, desesperadamente acutilante e astuta

Vou por caminhos solitários espevitando a memória confortada
Banhada em tantas lembranças reclusas na epiderme deste
Silêncio tão inconsequente…quase sempre delinquente e atordoado

O tempo perdeu sua meninice entrou numa adolescência
Tão eloquente engravidando aquela meiga escuridão onde
Inquieta e mais pungida, repousa esta minha tão cruente reclusão

Airosos e tão pirómanos deixei todos os meus heterónimos ateando
Fogo a cada verso que desembainho da minha enciclopédia anónima
Onde se alforria aquele desejo convalescendo romântico e bem revigorado

Frederico de Castro

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Um poema vestido de ternura e sentimentos, que ouvimos do silêncio seus ecos, poema que esta maravilhoso

    • Obrigado sempre caro amigo JCarlos pela gentileza

      FC

  • Parabéns Frederico.. Encantadores versos...

    • Grato Iraci pela gentileza

      Abraço poético

      FC

  • Parabéns, Poeta! 

    Versos lindos de apreciar 

    • Grato amigo Jilmar pela visita

      Abraço fraterno

      FC

This reply was deleted.
CPP