Inspirações

Sem palavras...

O tempo na sua longínqua obliquidade refloresta
A solidão mais engenhosa deixando no marasmo
De cada brisa um sonho que se queda tão pasmo

No parque dos meus silêncios estaciono a saudade que
Paira no vagante olhar das minhas relutantes memórias
Tecendo a noite com escuridões prenhes e mais sensórias

Em seu recanto a madrugada pendura as ilusões num afável
Murmúrio perdido na penúltima hora ressonando e ressoando
Até que acalme meus ais e dormite em mim sempre tão fiável

De surdez feneceu o silêncio deixando uma bagatela de
Palavras embebedarem-se daquele dócil e conivente desejo
Que multiplicámos enquanto crentes…enquanto carentes

Sem palavras ficou uma sombra impassível alimentando
Contemplativos versos que amadurecem tão pungentes
Pigmentando uma rima que espreita sensual e quase insolente

Frederico de Castro

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Frederico de Castro

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Gestores

    Esplêndido! 

    _Adriano

  • Gestores

    Lindíssimos versos que encantam meu espírito. Destaco Poeta Frederico.

     

  • Versar de uma maneira divina e magistral. Só me resta te aplaudir. Abraços Poeta Frederico.

  • Gestores

    Como disse Ciducha: Quelindooooooooooooooo!!!

    • Grato amiga Marso pelo carinho e gentileza

      Bem hajas

      FC

  • Veio desenhando solidão e sil|êncio em cada verso, Frederico!

    E gostamos de contemplar o desenho em que retrata um eventual jeito de ser de quem escreve.

    • Muito agradecido pela visita Edvaldo e gentil mensagem

      Abraço sempre fraterno

      FC

  • Lindo poema Frederico Castro, aplausos!

    • Grato Everaldo pela visita e gentil mensagem

      Abraço fraterno

      FC

  • Uauuuuuuuuuuuu,quelindooooo!!

    Aplausos de pé,poeta

    Beijos

This reply was deleted.
CPP