Poesias

TUA AUSÊNCIA

Ainda que a noite me fosse clara

Sem o frescor do teu aroma por perto

As flores lá fora nada dizem para mim

 

Ainda que a lua tentasse me namorar

Ou me inspirar o mais profundo poema

A grama do jardim está cinza sob meus pés

 

Tua ausência é sentida por tudo aqui em casa

E até as paredes de pedra choram comigo

Meus suspiros ecoam pelos corredores

Enquanto os tapetes se escondem pelos cantos

 

A comida está sem tempero, a água não hidrata

O guarda roupa esconde as camisas que quero usar

E até o espelho se recusa a refletir meu rosto triste

 

Se você não quer mesmo voltar para mim

Devolva então a essência das coisas que ficaram

Tudo que eu preciso parece ter ido com você

E muito de você ficou aqui comigo

 

Se você não quiser mesmo voltar para mim

Mande-me ao menos a magia da noite

Para acalentar-me na tortura da solidão

Tornando mais leve o fardo do açoite

(CLÁUDIO ANTONIO MENDES)

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • É sempre assim, não é? A ausência vai se alastrando por tudo, tomando conta de gente, de casa, de ar, da vida. Tudo é reverberação de falta! Aqui nesses versos a tristeza ficou linda!

  • Um apelo triste,belo e saudoso...

  • Sofrido, mas bonito. Parabéns Cláudio.

  • Encantado com os versos, parabéns, poeta!

  • Sentidos que ficam vazios onde o ser amado de um jeito sem explicação si vai, nosso olhos chora o amor

  • "Para acalentar-me na tortura da solidão

    Tornando mais leve o fardo do açoite"

    Aplausos de pé!

    Beijos

This reply was deleted.
CPP