Gestores Adm

I Oficina de Rondó simples sobre um estribilho

Rondó simples

 O rondó é um poema de forma fixa, também de origem francesa. Há rondós de vários modelos.

O Rondó simples tem três estrofes, sendo duas quadras e uma sextilha, com metade do verso inicial a se repetir no final da segunda quadra e da sextilha.

As rimas devem ser cruzadas nas quadras, com uma terceira rima na sextilha, pontuada no verso 4 e 6. Os dois versos iniciais da sextilha obedecem à rima inicial na condição emparelhada, o terceiro e o quinto verso obedecem à segunda rima na condição cruzada.

Assim, o poema segue o esquema rímico: ABAB/ABABd/AABCBCd, onde o d representa o refrão. Segue, como exemplo, um Rondó de Manuel Bandeira, bastante conhecido.

RONDÓ DE COLOMBINA

           De Colombina o infantil borzeguim    (A)
           
Pierrot aperta a chorar de saudade. (B)
      
O sonho passou. Traz magoado o rim,  (A)
     
Magoada a cabeça exposta à umidade. (B)

     Lavou o orvalho o alvaiade e o carmim.  (A)
       
A alva desponta. Dói-lhe a claridade    (B)
 
Nos olhos tristes. Que é dela?… Arlequim (A)
        
Levou-a! e dobra o desejo à maldade  (B)
                         
De Colombina.                    (d)

          O seu desencanto não tem um fim.    (A)
      
Pobre Pierrot! Não lhe queiras assim.   (A)
  
Que são teus amores?… — Ingenuidade  (B)
        
E o gosto de buscar a própria dor.       (C)
     
Ela é de dois?… Pois aceita a metade!  (B)
     
Que essa metade é talvez todo o amor  (C)
                              
De Colombina…              (d)

Manuel Bandeira, in Carnaval.

Regras

1. Todos os membros podem participar, a oficina propõe-se ao aprendizado;

2.Permite-se comentários sem imagem

3.Os textos devem ser postados no formato escrito;

4. Cada participante, após compor seu Rondó, deixará um pequeno verso que, servirá como estribilho à composição do próximo participante.

Boas composições!

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Próximo estribilho:  

    Vá embora....

  • Labirinto profundo

    Você não me falou: — Tudo findou!
    Fiquei a sua espera muitas estações
    O viver meu sentimento modificou
    Hoje não acalento mais ilusões.

    Sou sombra de um tempo que passou
    Só frieza, sinto, nos corações
    Seu silêncio tudo modificou
    Não lhe devo mais satisfações.
    Você não me falou…

    Minha sina, o destino assim, traçou
    A saudade da mente se afastou.
    Hoje sou outra… Sem sensações!
    Meu viver um labirinto profundo
    de incertezas e lamentações.
    De lágrimas a face inundo,
    Você não me falou…
    Márcia A. Mancebo
    20/ 09 / 19

  • Gestores

    Estribilho: Você não me falou

  • Gestores

    Amor por uma vida inteira.

    Angelical é um amor sem outro igual
    Acontece quando o amor é sublimado
    El, sublime, está além do bem e do mal
    Não é só um simples ato apaixonado.

    O amor ultrapassa o corporal
    Porque o sentimento é santificado
    É místico, é mágico, é espiritual
    Porque na alma está harmonizado.
    Angelical é o amor...

    E um amor assim, torna-se tão real
    Que não importa se junto ou, separado
    De quem ama, ele é incondicional
    E vai ser amor por uma vida inteira
    E, além da vida vai ser eternizado
    Por ser a forma de amar mais verdadeira.
    Angelical é o amor...

    Marsoalex – 13/09/2019

  •  Próximo estribilho 

    Angelical....

  • Fantasia

    Além do infinito está a fantasia
    Invade a natureza toda de amor,
    Espalha ao léu uma bela melodia
    Conforta o coração do espectador.

    Não há quem não consiga ver poesia
    no alarido do pássaro cantor.
    A intenção é instigar a harmonia,
    Pois, não há quem não seja devedor.
    Além do infinito…

    Muito além do infinito está a magia
    trazer o colorido para os dias.
    Aqui de onde estou, ouço a melodia
    suave, que enfeita todo o esplendor
    O sussurro do vento é contagiante
    leva do pensamento o desamor.
    Além do infinito…

    Márcia A. Mancebo (12/09/19)

  • Gestores

    Próximo estribilho: Além do infinito

  • Gestores

    Alma penada.

    Sem você me perco nas estradas
    Da vida tentando te encontrar
    E vivo entre partidas e chegadas
    Sem um porto certo onde aportar.

    Até comigo mesmo sou desencontrada
    Não consigo, em mim, me localizar
    Ando sem rumo, só, desnorteada
    Não encontro pouso nem lugar
    Sem você...

    Os dias sem você não valem nada
    São só dias que demoram a passar
    A vida está em mim estagnada
    Porque eu não soube te perder
    Hoje, eu sou como uma alma penada
    Pois tenho vida, mas não sei como viver.
    Sem você...

    Marsoalex – 11/09/2019

This reply was deleted.
CPP