O Seu Castelo, Desmoronou

Agora é tarde para pensar
Sofre reflexos, de uma atitude
Aversa aos seus princípios
Foi movido pelo ódio
Hoje, se encontra nesse lugar
Cinzento e vazio
Cercado por grades e correntes
Imensos muros de concreto
Acima, atiradores na espreita
Atento ás movimentações
Agora, é banho de sol
Nú de cabeça baixa
Na mente, um filme que passa
Como fora parar ali ?
'Matou por amor"
Aquele era o discursso
Mas o sentimento de posse
O ciúme doentio
Ascendeu o pavio
O gatilho, puxou
Julgado e condenado
Branco, pálido
Cumpri a sua pena
Sonha com a liberdade
E reconquistar aquele amor
Em questão de segundos
Uma atitude, impensada
A força extrema foi usada
O seu castelo, desmoronou

Everaldo Magalhães
 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP