PURA IRREVERÊNCIA

Nudez de irreverência

Te mostras como inocente

Mas nos olhos possuis volúpia

Sedução em tua mente

Em tua postura, mistério

Levas homens à loucura

Mulheres à inveja

Teus negros cabelos

Que cobrem parcialmente

Teus seios, tua face, teu veneno

Os braços cruzados denotam

Mistério mas também medo

Insegurança ou receio, quiçá

Leves são teus pensamentos

De pernas guardadas 

Como a esconder teus desejos

Mais ocultos ou teus mistérios

De quem te ousar desvendar.

 

Sentada em uma sala árida

Em meio a galhos secos

Tal tuas pernas furtivas

A encobrir-te as mazelas

Que ganhaste nas horas tristes

Que sem carinho ficaste

Nesta tua irreverência.

 

(Alberto Valença Lima)

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

    • Pôxa! Surpreso por ter dois poemas meus desatacados num mesmo dia. Minha gratidão pelo seu olhar. E, claro, também pelo privilégio.

      Receba meus abraços poéticos e votos de um ótimo fim de semana cheio de paz.

  • Uma dualidade de sentimentos e sensações desperta a imagem que o olhar do poeta captou muito bem. Parabéns. Abraços

    • Gratíssimo por sua visita minha caríssima poetisa Lilian. Fico feliz com suas congratulações e palavras de incentivo.

      Deixo também a você meus abraços poéticos  votos de um fim de semana cheio de paz.

This reply was deleted.
CPP