CARPE DIEM

 

 

Não se guarde para o amanhã

Não vale  a pena  se  poupar

Tentar  se enganar, tergiversar

Vir à vida e não viver

É melhor extravasar e a vida desfrutar

Não deixar para depois o que pode  fazer hoje

Há que se arriscar, se expor, experimentar

A vida colorir ter história pra exibir

Vale a pena  afirmar

Só se leva desta vida  a vida que  se está a levar

 

Um velho quase sem idade

Sobrevivente da mocidade

Imerso na solidão sem presente, sem futuro

Apesar do seu sofrer dispensa compaixão

Não bem sabe se ainda há tempo

Para o destino modificar

Não deve se acomodar amedrontado ficar

Talvez valha a pena tentar

O que se leva desta vida  é a vida que  se está a levar

 

Quem dera poder sonhar e voltar a ser criança

Começar tudo   de novo  repetir os bons momentos

Aproveitar cada minuto esquecer os desencantos

Não se deve capitular

Deixa a vida seguir sem medo de se ferir

Quem assim não procedeu  veio à vida e não viveu

De uma coisa estou certo, assim volto a perseverar

Desta vida  só se leva  a vida que  se está a  levar

 

F J TÁVORA

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP