CLAMOR...

Clamo aos ventos teu nome, tuas quimeras
Ao lembrar-me do breu dos teus olhos
A sorrir; quase a falar com brisa das manhãs
Primaveris sobre teus apaixonados sonhos
Onde me encontro entre tuas manhas;
Oferecida, suplicante; arrebatada!

Quão doce é teu querer, tão suave teus
Beijos reclusos entre paredes taciturnas;
Quando na penumbra da noite sussurras nos meus
Ouvidos queridas e magicas sílabas tônicas...
E eu docemente te peço numa voz engasgada
De emoção: Eu quero ser a rosa dos teus ventos.

Dá-me o destino de estar ao teu lado todos os dias
Quero te conduzir com amor pelas minhas fendas...
Entrega-me tua alma, teu coração, tuas vias.
Deixa-me ser tua aurora, tua bússola noite e dia.

Luly Diniz.
21/06/18.

 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • SIMPLESMENTE FABULOSO!! Parabéns Luly!!! 

    • Obrigada Angel pelo seu comentário vibrante, me inspira a continuar......

      Beijinhos com minha gratidão,

      Luly

  • Adm

    Versos carregados de lirismo. Lindo desenvolvimento do tema.

    Parabéns Luly por esta linda participação.

     

    • Obrigada Edith, muito bom ter seu comentário.

      Boa noite, beijos de luz na sua alma,

      Luly

  • UM BELO POEMA!

    Beijos!

    Nina

    • Obrigada Nina, bjos.

      Luly

This reply was deleted.
CPP