DESPREZO

Se queres ser para mim o negro véu...
Se queres com tuas palavras  aborrecer-me...
Se pensas que, com teus olhares me sentirei condenado! 
Se me condenas com eles...

Se com seu julgar pensas em ferir-me...
Se assim pensas, e acredita que podes com teu egoísmo 
"Desmontar-me, e ao meu dia" engana-se: 
Pois vós sois dividida entre teu atos de luxúrias 
E a mim queres submeter, a eles... 

Encanta-me com teu ardor, e logo enrijece meu corpo
com seu gélido sorriso, deixando-me confuso...
Assim o faz... ironicamente você  passa em minha vida:

Se de mim sugas o amor, e em troca oferece tua ausência
Saiba que, de agora em diante serei a sombra 
de suas pegadas...

Estarei nos seus pesadelos, no amargo gosto de fel em sua boca
Serei os espinhos que ira ferir-te os pés
Serei os sonhos que não queres sonhar... o remédio que não cura:

Como queres deixar em mim... farei o mesmo com você:
Pórem não por vingança!

Apenas para por em tua boca, oferecido por meus beijos
Todos os tristes momentos que estive ao teu lado! 

E para lembrar-se de mim, no reflexo de teu olhar, ao se refletir no espelho
E como largos passos que não mais se apagara
Eu deixo na areia minha marca, no pó de teu rosto
Todo o meu despreso, por onde teu egoismo passar.

Poesia:  Desprezo 
Poeta:   Igor Rodrigues Santos 

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP