Esse olhar!

 

 
Observo a noite da sacada
E vejo estrelas sorrindo
Emoção invade o corpo
Ao sentir sua presença...
 
É sonho que não se acaba
É amor que plaina no ar se
"Ergo o braço, aceno aos ares,
E o céu se azulando vai"
 
O raiar do dia começa
Com sol aquecendo tudo
E o azul do céu resplande
Dando lugar ao azul infinito!
 
E você? Assim tão distante
Nem sabe que penso em ti
Não consigo deixar de lembrar
A saga de amor que vivi...
 
É céu, é mar, é planeta!
Trazendo de volta pra mim
Toda paixão de poeta
Que por um tempo vivi.
 
Boba eu, bobo você!
Caprichos da vida
Que nos separa
Feito margens de Rio!
 
Su Simon!
 
 
"Ergo o braço, aceno aos ares,
E o céu se azulando vai;"
 
Fragmaneto do poema:
O gênio da humanidade de Tobias Barreto

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Gestores

    9386433495?profile=RESIZE_584x

  • MUITO BELO, VERSOS DE AMOR E SAUDADES

  • Belíssimo poema, nobre poetisa! Ricos versos! Parabéns pela inspiração! Abraços poéticos!

    • Obrigada!

      Tenham uma ótima noite!

  • Lindo demais poetisa.

    Parabéns querida

     

     

    • Obrigada Marcia!

      Tenha uma ótima semana!

This reply was deleted.
CPP