Poem(a)mor

 

 

 

Resultado de imagem para gifs grafite muro

 

 

 

Há poesia

no muro passado à grafite

a cal e maresia:

sonda-me um palpite.

 

A arte manha o ato

o peito nu aflora no esteio

palpita o pensamento nato

no cimo de teu intumescido seio.

 

Vigora a flor do teu sexo

um regato, colina, uma angra

um regalo, espelho dágua reflexo

exprime desejo, alma reverbera e sangra.

 

Em teu êxtase exilado

beberico em agonia o beijo ávido

morro docemente e extenuado

e, ao final de tudo, sobrevivo impávido.

 

 

 

 

 

Rui Paiva

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Menestrel Rui Paiva - mestre em ciência do conhecimento literário. Seu talento vem coroar todo o seu valor pela criação do poema.

    • Notável Sam, Maestro iigualável, obrigado pela presença forte e amiga!

  • This reply was deleted.
    • Querida Márcia Mancebo: me tocas profundamente com comentário tão acolhedor!

  • cid_16E260B82EDB48D7A4AD3E59DFFF885Ehome.gif

  • Gestores

    Muito bonito Rui.

    • Agradecido, Margarida!

  • Gestores Adm

    Poema sensual lindíssimo, Rui.

    Escrito num momento exuberante.

    Aplausos!

    • Feliz por sua honrosa visita e impactante comentário, Edith!

  • Ah ,meu Pai eu fico procurando as palavras para comentar você poeta .Eita responsabilidade Senhor !

    Simplesmente magnífico teu texto 

    Meus parabéns 

    Paz e luz sempre! 

This reply was deleted.
CPP