Prova de Fogo

3756364254?profile=RESIZE_710xIndubitavelmente, eu não gostava de ler, muito menos de escrever, no entanto, por força da profissão escrevia e lia forçadamente. Como contador/economista, eu era obrigado a entender do riscado, saber das leis e de suas regulamentações. Mas, no entanto, eu ia escamoteando o meu contra gosto (da leitura) e seguia lendo, suando o cérebro e ardendo os olhos. Mas de repente, certo dia (já com mais de cinquenta e três anos nas costas) Pow, embasbacado, fiquei apaixonado pela leitura e, esta paixão fez-me criar um Blog (DrCarreiraCoach) e, este Blog me pedia alimentação constante me obrigando a escrever todos os dias, muitos anos depois, a paixão pela escrita veio - casei-me duas vezes, uma com a leitura e a segunda com esta última. Mas, estou escrevendo estas linhas simplesmente, pra te dizer que, os poetas estão amiudamente, pensando em algo, ou no passado, no presente ou no futuro. E, foi deste jeito que eu estava meditando e não podia ser diferente, pois, é assim que poeta faz -, Novo Pow aconteceu! Veio-me, à minha mente, a imagem do meu sofrido exame de autoescola e a compra do meu primeiro carro: -

Quando comprei meu primeiro carro? O mês da compra, não me recordo, nem o dia tampouco, mas o ano acho que foi em 1976 ou foi em 1977? Deve ter sido em 1978. Naquela época, eu trabalhava numa empresa de construção civil como subcontador e, o meu chefe tinha comprado recentemente, um "carrão" zero quilometro amarelo "ovo" - um lindo opala comodoro, ele também tinha um fusquinha verde oliva 1200, ano 1962, seu teto estava todo desbotado, meio esverdeado (sua cor de origem), meio azulado com tom amarelado pela ferrugem, mas o resto da pintura e do carro estava impecável. Naquele mês, eu e algumas amigas de trabalho (inclusive a esposa do meu chefe) estávamos praticando na autoescola "Caravela" pra tirar nossa tão sonhada carteira de habilitação (CNH).

A preocupação era geral, pois, as aulas eram poucas e caras, isso, agitava nossos corações e também nossos bolsos, mas nesse caso, nossa agitação não era tanto pelo dinheiro, mas sim, pelo medo de fazer o exame e ser reprovado. Mas eis que de repente, meu chefe (sabendo que eu ia tirar carta) diz-me que, todas as tardes daquela semana nós (eu e ele) iríamos praticar em seu fusquinha verde oliva, pois, sua esposa já tinha sido reprovada várias vezes, isso, segundo ele, me ajudaria a não reprovar tanto ou, até (quem sabe) passar direto no exame. Eu fiquei muito agradecido, pois, a gente mal se conhecia e ele prestando-me tal ajuda. Aquela semana passou rápido como um raio, passou "vuando", praticamos os cinco dias úteis de sua composição com isso, eu, me encantava mais e mais com o fusquinha desbotado de meu chefe. No sábado seria a prova fatídica e, este dia não vou esquecer jamais, pois, aquele sábado amanheceu nublado, escuro com cara de chuva. Isso, fez com que aumentasse a ansiedade gostosa que havia dentro do meu peito e agora já não tão gostosa assim, pois, passando na prova eu estaria apto a dirigir e, poderia comprar meu primeiro carro - porém, começou a chover. Cheguei ao local da prova e logo a seguir meu nome foi chamado. Entrei no carro (um fusca branco ano 1972), muito tenso dei partida, quando fui por primeira marcha, meu pé esquerdo (o da embreagem) não tremia, ele trepidava, minhas mãos estavam frias, suadas, minha camisa ensopada, a calça parecia que eu tinha urinado e, pra complicar meu desespero começou a chuviscar forte, na minha frente tinha duas senhoras, a primeira, estava atropelando a baliza, sobindo na calçada e, descendo do carro foi reprovada pelo delegado, a segunda vendo toda aquela tragédia entra em crise, o carro morre -, mais uma reprovação. A partir daquele instante, eu não vi mais nada a não ser a baliza e a garagem, meu pé esquerdo só parou de tremer quando desci do carro e ouvi meu instrutor dizer: -

- Joãoooo, você está aprovaaaado! Fique calmo que o pior já passou e, você fez uma boa baliza e uma ótima garagem (hoje não tem mais esta última modalidade) você tocou perfeitamente os dois pneus traseiros na sarjeta e, não subiu na calçada.

Eu estava todo esbodegado, porém, ainda tinha mais um desafio - o exame de percurso, nisso volta novamente, meu instrutor dizendo em tom de gracejo: -

- Estás preparado Joãoooo? Agora vamos fazer a prova de percurso. Relaxe.

O percurso foi tranquilo, éramos em cinco, eu fui o primeiro, entrei sentando no carro (não coloquei o cinto e, não perdi pontos por isso) dei partida, coloquei a primeira marcha, depois a segunda e percorri mais ou menos mil metros, dando seta virei à esquerda, fazendo o retorno, o delegado mandou encostar dizendo - cai fora!

Fui aprovado!

Se eu estava feliz? Decerto que sim. Eu estava feliz da vida e, mesmo molhado (como um pinto) comecei a pensar no meu verde oliva - o meu primeiro carro? Quem sabe. Naquela noite eu não consegui dormir, pois, as imagens do exame, a chuva, as mulheres sendo reprovadas, eu todo molhado, mesmo assim, eu não parava de pensar no meu verde oliva.

Passei o final de semana pensando amiudamente no meu primeiro carro de capota desbotada e enferrujada, e não via a hora de chegar segunda feira pra fazer uma pergunta pra meu chefe será que ele me venderia o carro? Cheguei mais cedo ao trabalho, de repente meu chefe chega também. Depois de três horas de serviço desconcentrado, eu tomei coragem e fiz a pergunta. Ele pensou um pouco e meio que enternecido e constrangido disse:

- João, infelizmente, meu carro não está à venda, pois, vou deixá-lo pra minha esposa que acaba (depois de muitas reprovas) de passar no exame.

Encadeando minha tristeza com minha desolação e sem o verde oliva desbotado, eu fiquei mais esbodegado e, continuei indo de ônibus pra minha casa por um bom tempo.

#JoãoCarreiraPoeta

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

joao carreira

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

This reply was deleted.
CPP