TEU NOME

TEU NOME

TEU NOME

 

Não é quimera não, é de verdade
O teu índigo olhar...  Teu sorriso
É aurora celeste que eu diviso
No horizonte amargo da saudade!
 
Ao ver-te o desejo minh! alma invade
E faz sonhar... Mas, teu nome, indeciso,
Inda que eu queira, aqui não formalizo;
Se tu quiseres, dá-lhe claridade...
 
Pois, se com ele intitulo este poema,
Confesso, sem qualquer estratagema,
Esta paixão que arde e me consome...!
 
Assim,  embora desaguando em pranto,
Faço este soneto e componho  um canto
Sem o som da cantiga do teu nome...
 

https://www.youtube.com/watch?v=4BIkBgQtPN8

 

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

CPP