Vagante

VAGANTE

Por entre sendas e searas andei
Na busca de encontrar meu lugar
A paixão e a dor experimentei
Nunca quis meus desejos refrear

A solidão evitei a todo custo
Com outros o prazer encontrei
Para mim não era injusto
O constrangimento que a ti causei

Queria mudar toda minha história
Então sem recados tem abandonei
Não percebia que a minha inglória
Veio a mim quando te deixei

Agora no final desta jornada
Retorno e seu perdão eu peço
Pois nesta vida desgarrada
Não obtive sequer sucesso

A vida agora se esvai lentamente
E minha caminhada aqui encerro
Me encontro tal qual um vagante
A lamentar o fim que não quero

Lilian Ferraz

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

  • Parabéns pelo lindo poema

  • Belissimas quadras, Lilian...

     E imaginativo poema!

     Beijos

    • Oi Nieves, que bom revê-la em minha página, sinto-me honrada. Bjs mil.Obrigada

  • excelente, Lilian, muito cativante o seu poema!
    • Oi Adriano, que legal que você também leu e gostou.Bom dia.Obrigada

  • Poeta Menina Lilian Ferraz...

    NOSSA!! - Conseguistes com tua inspiração, me travestir no teu "Vagante"

    em lamentos poéticos, esperando a ajuda do Poeta-Cupido que traga o Amado de volta!!!

    ...

    NOSSOS APLAUSOS E ADMIRAÇÃO! gaDs!

    • Oi Zeca! Joinha você por aqui.Obrigada pelo carinho e atenção aos meus textos.Bom dia

  • Lílian!

    Parabéns Poetisa,

    Abraço poético,

    Elzana "zana"

    • Obrigada querida pela visita e comentário tão gentil.Um grande Abraço

This reply was deleted.
CPP