À Mãe Negra

À Mãe Negra

Mãe negra, por muitos
Esquecida nesta vida
Do seu choro por filhos
Arrancados de seu ventre
E pelo mundo distribuídos
Mãe negra recebia notícias
Dos rebentos por si paridos
E longe tentando sobreviver...
Não por culpa sua
Negligência ou desatenção
Mas por culpa do homem
Causando dor
Principalmente ao coração
Tudo destruindo
Com sua ambição
Mãe negra ainda chora
Chora de tristeza, saudade
Mas também de orgulho
Pela história de luta
Que a vida registrou
Dos seus filhos em busca
De liberdade e futuro.

Giselda Camilo
#GiseldaCamilo

Enviar-me um e-mail quando as pessoas deixarem os seus comentários –

Giselda Camilo

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Comentários

  • Foram tantas lutas para poucas vitórias; e isto é provado nos tempos de agora. Até parece que não é um preto prejudicado;
    nossos motivos pra lutar ainda são os mesmos. Será que estou enganado estimada poetisa Giselda Camilo?

    • Em parte, não está enganado. Mas muitas conquistas devem ser comemoradas. E a "Mãe" olha orgulhosa para os filhos dos filhos dos filhos... Abraços, amigo SAM!

  • Belíssimo poema, amada poetisa! Parabéns!

    • Obrigada, amado poeta!

This reply was deleted.
CPP