Manhãs de outrora

Manhãs de outrora

É momento de passar esponja em mágoas.
É momento de lustrar com esmero a alma.
Jogar fora sentimentos fúteis na água
Para sentir -se serena, em paz ...ter calma
Para superar esse tormento que nos assola.

É tempo de reflexão, de pôr em ordem a vida.
Não há como não sentir fragilidade
ao ver cenas tristes e não ficar comovida
diante de imensa atrocidade.

Tempos difíceis, amargas horas,
Insegurança...intranquilidade.
Mas, sigo com fé e passos firmes
bordando os dias, desatando amarras
Com esperança e imensa saudade
das manhãs de outrora...

Márcia A. Mancebo
07/05/20

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Casa dos Poetas e da Poesia.

Join Casa dos Poetas e da Poesia

Enviar-me um email quando as pessoas responderem –

Respostas

This reply was deleted.
CPP